Criador do Bitcoin tem uma fortuna potencial de R$ 14,5 bilhões

Da Redação

Por Da Redação

9 de outubro de 2017 às 09:33 - Atualizado há 3 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Há 9 anos, o mundo se pergunta: quem é Satoshi Nakamoto? O criador do Bitcoin é uma das figuras mais misteriosas que passaram pelo planeta nos últimos anos. Ele apareceu rapidamente no fim da década passada (e desapareceu tão rapidamente quanto) usando este apelido e afirmando ser um homem japonês de 30 e poucos anos.

Neste meio tempo, chegou-se a conclusão pelos maneirismos e horário de suas postagens que, na verdade, Nakamoto não morava no Japão – e sim em algum lugar perto da costa do Atlântico. Seja quem for, no momento ele está sentado em uma montanha de mais de 1 milhão de Bitcoins nunca utilizados, que, no total, lhe dariam uma fortuna de R$ 14,5 bilhões na cotação de hoje.

Nakamoto minerou os primeiros blocos, obtendo os primeiros bitcoins e realizando as primeiras transações entre pessoas, como forma de demonstrar a viabilidade da moeda. Naquela época ela não valia nem um centavo de dólar (hoje vale 4.000 dólares) e era muito fácil de adquirir através de mineração. Com pouco poder computacional, Nakamoto minerou um milhão de moedas.

A adoção fez com que quem tivesse US$ 100 naquela época em Bitcoins hoje chegasse a ter US$ 120 mil. Imagine para quem tenha minerado os primeiros.  Seja como for, Nakamoto nunca usou (ou trocou) essas moedas – vendo os registros, dá para ver que eles não foram nunca usados. Não se sabe nem se elas estão eternamente perdidas. Ou se Sakamoto está vivo. Não se sabe nada.

Existem algumas hipóteses de quem é Nakamoto, mas as duas principais são Dorian Nakamoto (que mora nos Estados Unidos e nasceu como Satoshi Nakamoto) e Hal Finney, vizinho de Dorian e a primeira pessoa a receber Bitcoins (ele pode ter assumido o nome do amigo online e ter feito a transação consigo mesmo).

Dorian teria feito, sem querer, uma confissão de ser Nakamoto – antes de se arrepender. Outro ponto que mostra que talvez ele seja o inventor da Bitcoin é que a única mensagem nos últimos anos do verdadeiro Nakamoto na internet foi para dizer que ele NÃO era Dorian (talvez em uma tentativa de enganar as pessoas que estavam lhe seguindo).

Já Finney era conhecido por ter uma escrita muito parecida com o próprio Nakamoto e ser a primeira pessoa “real” a se envolver com o Bitcoin. Ele, porém, faleceu alguns anos atrás e, se ele realmente fosse Nakamoto, suas Bitcoins teriam sido, eternamente, perdidas.

Seja quem for, o criador do Bitcoin merece o dinheiro que é associado com ele. Afinal, ele criou uma das tecnologias mais “quentes” do futuro próximo: o blockchain e as criptomoedas. É uma grande revolução que permite reduzir muitos custos e melhorar muitos processos nos próximos anos.

Discutiremos este assunto com afinco no Bitcoin Conference, evento em São Paulo com os maiores especialistas na moeda e nesta revolucionária tecnologia. Fique por dentro e garanta sua participação clicando aqui.