“Em 2018, Construtech vai ser uma das indústrias que mais vai se destacar”

Avatar

Por Isabela Borrelli

14 de dezembro de 2017 às 16:41 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Apesar de ser uma das maiores indústrias do globo, equivalente a 13% do PIB mundial, a construção ainda é muito tímida em termos de digitalização. Mas isso está com os dias contados! Não só no exterior como no Brasil, as inovações estão chegando ao setor e quem afirma isso é Bruno Loreto, head da Construtech Ventures.

A Construtech Ventures, primeiro venture builder do mundo na indústria da construção e imobiliário, surgiu quando Loreto percebeu que o mercado contava com poucas startups na área.

“No Brasil, todas as outras construtoras (que não são nacionais) agem de forma regional. Não é uma indústria que tende a ter grandes players”, afirma Loreto, que estará presente no Construtech Conference, maior conferência sobre tecnologia na construção e no mercado imobiliário.

Percebendo esse gap, Bruno decidiu entender melhor o mercado e percebeu que essa tendência era mundial, mas que estava começando a fazer barulho. Segundo ele, o momento é oportuno: “Esse ano foi o ponto de virada. Em 2018 e 2019, eu tenho certeza que construtech vai ser uma das indústrias que mais vão se destacar”.

Como as iniciativas na área ainda estão começando, para fazer diferença Loreto percebeu que não bastava fazer um fundo de VC: era preciso incentivar a criação de startups. Foi diante dessa realidade que a Construtech Ventures foi tomando forma.

Mas como a Construtech Ventures funciona?

Primeiro, fundadores são recrutados: a venture builder busca empreendedores comprometidos em resolver problemas e gerar valor na cadeia da construção e no setor imobiliário. Em segundo, há uma cocriação: um time é formado e o projeto começa a tomar forma com protótipos e validação de mercado. Depois, uma vez validada, a startup recebe investimento para crescer.

Mas Bruno Loreto não foi o único que percebeu a oportunidade: em fevereiro, a StartSe fará a Construtech Conference, visando ensinar como as startups e as novas tecnologias estão transformando a construção civil e o mercado imobiliário! As vagas são limitadas, então garanta já a sua: inscreva-se!