Comprar (ou alugar) um imóvel virou uma atividade muito mais legal

Da Redação

Por Da Redação

26 de janeiro de 2018 às 11:23 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Um amigo próximo procurou um apartamento para morar recentemente. Ao achar, teve que mobiliar (e decorar) o imóvel. Fiquei impressionado com o quão “tranquila” foi a experiência dele perto do que eu passei quando passei pelo mesmo processo. No meu caso, foram meses até conseguir encontrar algo legal e fechar negócio – e no caso dele, apenas alguns dias. E olha que não faz tanto tempo assim que eu passei por isso, apenas cinco anos atrás.

Algumas startups surgiram e ajudaram neste negócio. Na minha época já existia Zap e VivaReal, mas as corretoras de imóveis não listavam todas as unidades que eles possuíam nestes sites. Além de não verem muito valor, acredito que o tráfego que estas plataformas levam para os corretores deve ter subido muito – além de que o tráfego “direto” que essas empresas tinham deve ter diminuído.

Lembro de que quando eu fui alugar meu imóvel, vi um que me interessou no Zap, entrei em contato com o corretor, agendei visita e… não gostei. No fim da visita, ele me ofereceu para mandar “as listagens que não estão no Zap”. Aceitei e ele mandou.

Dos 8 imóveis, gostei de dois. Visitei os dois e resolvi que alugaria um deles. Entramos em contato, mas precisava de um fiador (não podia ser meu pai por não ter imóvel na cidade de São Paulo) ou de um seguro-fiança complexo. Cheio de burocracias, conversas que não iam a lugar nenhum… até que eu desisti.

E aí fui visitar outros dois apartamentos no mesmo prédio com os contatos que peguei na portaria e um deles aceitou um depósito-caução como forma de seguro-fiança. Tivemos que arranjar um contrato altamente complexo de aluguel, passar em alguns vários cartórios e pronto. Aluguei minha primeira casa própria na Rua Vergueiro, 1247, São Paulo (dá uma olhada no Google Street View).

Meu amigo encontrou um imóvel na startup 5º Andar e alugou em pouquíssimo tempo, sem precisar de seguro-fiança ou fiador.

Olha como foi mais fácil na experiência dele. Minha história, fortemente reduzida, está em três parágrafos. A dele, em uma frase.

Uma experiência muito mais personalizada

Conseguir comprar, vender ou alugar um imóvel atualmente é muito mais fácil graças aos avanços da tecnologia. Hoje, você esquenta o lead muito mais através da internet do que antes. Ele vê o lugar, conhece a casa por dentro, pesquisa o bairro, vê o que existe e até mesmo vê quem entrega na casa dele no iFood. Só depois de muita pesquisa ele resolve ir até o local, visitar o imóvel e conhecer. Isso é importante para aumentar a assertividade do corretor.

Além disso, surgiram novas oportunidades de aluguel principalmente. Antigamente era um inferno alugar um quartinho extra que você tivesse em casa por qualquer motivo – principalmente se fosse um aluguel de temporada, em que o inquilino fosse passar dias e não anos. Hoje, você lista no Airbnb e o problema é resolvido em pouquíssimo tempo. É fácil, rápido e com pouca dor de cabeça (não dá para prometer que não vai ter, mas…).

Hoje as coisas se adaptam muito mais ao que é necessário e garante-se uma experiência muito mais personalizada do que antes e muito mais efetiva. Ainda existem milhares de problemas a serem resolvidos, sobretudo na área da burocracia brasileira, mas uma coisa é inegável: a tecnologia está ajudando muito a resolver os problemas que existem no mercado imobiliário, facilitando negócios e melhorando a rentabilidade de todas as empresas e indíviduos que estão ligados a esse negócio.

Conheça as mudanças no mercado imobiliário

Por ver esse potencial, estamos promovendo um evento em São Paulo em fevereiro a respeito das mudanças que o mercado imobiliário está passando. Contaremos com os maiores especialistas do assunto, com as grandes e promissoras startups do segmento. Vamos conversar sobre o canteiro de obras 2.0, o futuro das construtoras, as tecnologias no canteiro de obras.

CONHEÇA A PROGRAMAÇÃO DO CONSTRUTECH CONFERENCE