Cientistas americanos desenvolvem teste de sangue que detecta 8 tipos de câncer

Avatar

Por Elena Costa

21 de fevereiro de 2018 às 14:26 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Cientistas da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore nos Estados Unidos, desenvolveram um simples exame de sangue que é capaz de detectar os níveis de proteínas de cerca de 8 tipos de câncer. Além disso, o exame também consegue identificar mutações genéticas indicativas de tumores no DNA.

Segundo Joshua Cohen, autor principal da pesquisa, as mutações no DNA são marcas altamente específicas do câncer e que para capitalizar as especificidades foi desenvolvido um robusto e pequeno exame que consegue captar ao menos uma mutação na grande maioria dos cancros.

Ele ainda diz que manter o painel de mutações pequeno é essencial para minimizar os falsos positivos e manter a testagem acessível. Cohen e sua equipe estudaram centenas de genes e cerca de 40 proteínas para chegar nos 16 genes e 8 proteínas que no grupo de controle já se mostrou positivo: de 812 pessoas saudáveis, apenas 7 resultados foram falsos positivos.

A equipe juntou mais de três décadas de estudos focados em genéticas sobre câncer mantidos tanto no Johns Hopkins como em outros centros de pesquisas para atingir o resultado atual. Para o professor de oncologia do Jonhs Hopkins, Kanneth Kinzler, o resultado do grupo controle é “essencial porque falsos positivos podem sujeitar os pacientes a testes e procedimentos invasivos desnecessários para confirmar a presença do câncer”.

Além disso, eles testaram o exame em pacientes com câncer não metástico de ovário, pâncreas, estômago, fígado, cólon, pulmão, esôfago e mama. O resultado também foi positivo: os 5 tipos que não possuem teste de detecção –  ovário, fígado, estômago, esôfago e pâncreas — a sensibilidade variou entre 69% e 98%. Já o de ovário apresentou uma sensibilidade de 70% e detecção de 98%; o de mama teve 33%.

Para obter tais resultados e com precisão, o método de detecção utiliza o aprendizado de máquina para determinar a localização precisa do tumor em 83% dos pacientes. “A novidade do nosso método de classificação é que ele combina a probabilidade de observação de várias mutações no DNA junto com os níveis de proteínas para dar o resultado final”, explicou Cristian Tomasetti, professor de bioestatística, que desenvolveu o algoritmo.

O exame foi nomeado de CancerSEEK e tem grande probabilidade de adentrar a lista de procedimentos de rotina e o seu custo deve ficar menos que US$ 500. Para Bert Vogelstein, codiretor do Centro Ludwig, o teste representa mais um passo na mudança do foco das pesquisas em câncer, do estágio avançado para o estágio inicial da doença, que acredita ser crucial para reduzir as mortes por câncer no longo prazo.

A geração que nasce hoje viverá 100 anos. Muitos chegarão aos 120 anos. Pessoas terão câncer duas ou três vezes ao longo da vida. Nunca foi tão importante evoluir em tratamentos e diagnósticos como agora. Mergulhe mais profundo nesse universo como o nosso e-book “Como a tecnologia está revolucionando a saúde e a medicina“.

(Via Época Negócios)

Não deixe de entrar no grupo de discussão da StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

E caso você tenha interesse em patrocinar eventos da StartSe, envie um e-mail para patrocinio@startse.com.br

[php snippet=5]