CEO da Amazon investirá sua fortuna para diminuir custo de viagens ao espaço

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

14 de março de 2018 às 14:51 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Jeff Bezos é CEO e fundador da Amazon e o homem mais rico do mundo. Agora, o homem mais rico do mundo gastará sua fortuna para tornar viagens ao espaço mais acessíveis, buscando diminuir o custo.

“O preço da entrada no espaço é muito alto”, disse Bezos neste sábado (9), ao receber o prêmio Buzz Aldrin de exploração no espaço no Explorers Club Annual Dinner. “Eu estou no processo de converter meus ‘ganhos de loteria na Amazon’ em uma entrada ao espaço com custo muito menor para explorarmos o sistema solar”.

Além da gigante do varejo (e tecnologia) Amazon, Jeff Bezos fundou a companhia de foguetes Blue Origin LLC em 2000. A empresa está desenvolvendo foguetes com peças reutilizáveis, concorrendo com a SpaceX de Elon Musk neste quesito. Bezos anunciou anteriormente que está vendendo US$ 1 bilhão de suas ações na Amazon por ano para investir na Blue Origin. Atualmente, sua fortuna é de US$ 131 bilhões, cujo US$125 bilhões são em ações da Amazon.

Jeff Bezos se recusou a anunciar o quanto estaria investindo em viagens ao espaço, agora que decidiu “gastar seus ganhos de loteria da Amazon”. O empreendedor tem o apoio da mãe na iniciativa – e Jackie Bezos inclusive já realizou uma viagem ao oceano para recuperar peças do motor do foguete F-1.

“Eu quero um mundo para os netos dos meus netos viverem”, disse Bezos. “Eu também quero um mundo dinâmico, um mundo que está expandindo e crescendo. Eu não acredito em estagnação e esse planeta é finito”. Jeff Bezos é considerado uma pessoa extraordinária por tudo o que já conquistou e planeja conquistar – no caso, agora é o espaço. Aprenda com Augusto Cury, Maurício Benvenutti e Ricardo Geromel como ser extraordinário.

(Via Bloomberg)

[php snippet=5]