Apple Watch detecta diabetes em usuários com 85% de precisão

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

7 de fevereiro de 2018 às 15:28 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Um estudo DeepHeart realizado entre a Cardiogram e UCSF revelou algo interessante: o Apple Watch de 462 usuários detectou que estes possuíam diabetes através do sensor de batimentos cardíacos. Os usuários nos quais o relógio detectou a diabetes já sabiam de sua condição – e a precisão foi de 85%.

Na pesquisa, foram analisados dados de 14 mil Apple Watches. O sensor é do mesmo tipo dos utilizados em outros aparelhos do tipo (que, supostamente, possuem esta mesma capacidade de detecção). Um estudo do Framingham Heart Study publicado em 2015 já havia informado que a frequência dos batimentos cardíacos pode predizer de forma significante a diabetes e hipertensão.

O CEO da Cardiogram, Brandon Ballinger e seus colegas já haviam feito um movimento semelhante ao detectar um ritmo cardíaco normal com 97% de eficiência a partir de um Apple Watch. A apneia do sono e hipertensão também foram detectadas, com 90% e 82% de precisão, respectivamente.

Agora, Ballinger e seus colegas pretendem analisar outras doenças a partir de sensores de batimentos cardíacos. Esse é um exemplo de como a tecnologia pode impactar positivamente em nossas vidas, podendo servir de alarme a usuários desavisados, além de trazer dados consistentes sobre sua saúde.

É claro que a análise feita pelo aparelho não substitui uma consulta ou exame médico, mas é um bom ponto de partida para prestar atenção em possíveis anormalidades. E claro, se você recebe um aviso para investigar, este pode ser um excelente ponto de partida para você começar a tratar e evitar problemas maiores.

A pesquisa VIGITEL (Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico) divulgada em abril do ano passado mostrou que teve um aumento de 61,8% de diabetes no país. O dado alarmante comprova a necessidade de diagnóstico e um acompanhamento ainda mais próximo desta condição, o que pode ser ainda mais facilitado pela tecnologia.

Se você deseja saber mais sobre como a tecnologia está impactando na saúde – geralmente através de empresas e startups do setor, as healthtechs -, leia o nosso e-book gratuito e participe da HealthTech Conference.

[php snippet=5]