A Apple quer reunir TODOS os seus dados de saúde (até resultados de exames)

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

26 de janeiro de 2018 às 10:12 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

No iOS 8, a Apple lançou o aplicativo “Saúde”, para os usuários concentrarem todas as informações importantes desse setor em apenas um aplicativo. Com as atualizações do sistema, o aplicativo foi aprimorado e hoje é possível realizar desde a contagem de passos à saúde reprodutiva, análise do sono e até tipo sanguíneo.

Agora, na atualização que será trazida na versão 11.3 do iOS, o aplicativo terá uma nova seção – a Health Records. Na seção, o aplicativo permitirá organizar e visualizar todo o histórico médico do usuário. Para tornar isso possível, a Apple está realizando parcerias com clínicas e hospitais.

Alguns hospitais já disponibilizam documentos médicos em sites ou enviam por e-mail, mas a Apple quer tornar esse processo automático – e no próprio aplicativo. Os hospitais poderão colocar os dados no seu iPhone diretamente – o usuário receberá uma notificação quando possuir um novo dado médico. Os dados estarão protegidos por criptografia e necessitarão de senha de acesso.

Os usuários poderão listar suas alergias, medicações e resultados de exames no aplicativo Saúde, nativo dos dispositivos da Apple. A novidade será bem-vinda para os pacientes que realizam exames frequentemente, pois possuirão todos os dados registrados no celular, evitando a perda. Para pacientes que realizam exames apenas de rotina, será interessante poder ter um registro para comparar resultados ano após ano.

Esse é apenas um dos exemplos no qual a tecnologia pode ser uma aliada na saúde. Hoje, existem empresas estabelecidas – como a Apple – e startups investindo em soluções nesse setor. Para saber como a tecnologia pode ser uma grande aliada na saúde, participe da HealthTech Conference. Johns Hopkins Medicine, Cedars-Sinai, Penn Medicine e outros hospitais dos Estados Unidos estão testando a novidade com seus pacientes.

(Via TechCrunch)

[php snippet=5]