Apple e Microsoft estão brigando pelo futuro da computação

Da Redação

Por Da Redação

27 de junho de 2016 às 13:11 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A computação tradicional está morrendo. Aquele velho sinônimo de tela, mouse e teclado já é coisa do passado – e a  Apple, sua inventora, foi a responsável por dar o primeiro tiro que matou essa noção: o iPhone de 2007, que trouxe a computação para o seu bolso.

Agora, são os aparelhos vestíveis (como o óculos da Microsoft e o Apple Watch) que chamam a atenção, juntamente com aqueles que respondem à sua voz, como Siri, Cortana e o Echo da Amazon. Apple e Microsoft, porém, estão tentando inovar no ponto mais importante para mudar a sua noção de computação: como se escrevem os programas que você usa.

Apple

Apple está em um posição única, pois por mais que seja uma das inovadoras, o faz com uma parcela mínima do mercado: nos PCs, quem domina é a Microsoft com o Windows e nos smartphones é o Android a força dominante.

A Apple teve que garantir que as pessoas fizessem programas direto para o iOS e criou uma nova linguagem de programação, mais fácil, mais rápida e melhor: a Swift – que logo se tornou uma das mais usadas no mundo inteiro. Além de ser a mais fácil de aprender.

Ela pode ser usada não apenas no iPhone, mas também em Androids e Linux. Além disso, a Apple a desenhou de uma forma que um app para Android construído nessa linguagem seja facilmente transposto para o iOS, resolvendo seu problema.

Assim, a Apple garante o seu espaço de força dominante através da nova linguagem, a despeito do domínio da Microsoft e Google. E se um dia a Apple lançar uma nova plataforma, como um aparelho de realidade virtual ou um carro, o Swift garante uma transição fácil para a empresa.

Microsoft

Já a Microsoft vê o futuro com Windows. Muito Windows.

A empresa está consolidando todas as plataformas no mesmo sistema operacional: o Windows 10 – também chamado de “Último Windows” pela empresa.

A ideia é usar o Windows 10 em todos os aparelhos e, com o WUA (Windows Universal Apps) fazer com que seja muito fácil desenvolver aplicações para todos os sistemas disponíveis facilmente.

Contudo, um ponto mais interessante ainda da estratégia da Microsoft é que ela tem ajudado desenvolvedores a terem as melhores ferramentas para desenvolver suas aplicações, como o Xamarin – que permite desenvolver programas que rodam em Windows, internet, iPhone ou Android.

E com isso, a empresa consegue fidelizar os clientes a usarem a sua nuvem, a Microsoft Azure, para todas as necessidades que eles possuem. Assim, a Microsoft provê a estrutura da computação, mesmo que as pessoas não estejam trabalhando para montar aplicativos para seu sistema. Uma estratégia muito eficaz.

Mensagem do Editor

Ei, tudo bom?
Gostaria de agradecer pela visita! Meu nome é Felipe Moreno, sou editor-chefe do StartSe e, como muito de vocês, dono de uma (minúscula) startup de mídia.
E vou te fazer um pequeno convite: vamos bater um papo! É só se cadastrar aqui embaixo e eu vou te enviar alguns e-mails para você com o melhor do nosso conteúdo para te ajudar, seja você um empreendedor, funcionário, investidor ou apenas interessado neste maravilhoso mundo!
É um caminho de comunicação direto que nenhum outro portal oferece para seus leitores. E a intenção é construir uma comunidade vibrante que esteja preparada para todos os enormes desafios que virão. Vamos construir conhecimento e conteúdo juntos! Conto muito com a presença de vocês neste papo!
[php snippet=5]