ANVISA aprova novo medicamento que atrasa a esclerose múltipla: o OCREVUS

Avatar

Por Elena Costa

2 de março de 2018 às 15:43 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

OCREVUS, nome comercial do monoclonal ocrelizumabe, é o novo medicamento para o tratamento da esclerose múltipla (MS) que foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). O remédio é registrado pela Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A.

A aprovação é considerada um fato inédito pois o OCREVUS é indicado para pessoas que possuem a esclerose múltipla recorrente (EMR) e a esclerose progressiva primária (EMPP) por diminuir os surtos e atrasar a progressão da doença, algo que ainda não havia no mercado. Segundo a ANVISA, o ocrelizumabe identifica e elimina linfócitos B específicos resultando na diminuição da inflamação e dos ataques na bainha de mielina.

Para chegar a decisão final que aprovou o medicamento, a ANVISA tomou como base 3 grandes estudos científicos que mostraram a eficácia do OCREVUS nos principais marcadores de atividade e progressão da MS. Os resultados foram também publicados na edição de janeiro de 2017 da New England Journal of Medicine (NEJM).

“Até agora, nenhum tratamento aprovado pelo órgão estava disponível para ambas as formas da doença EMR e EMPP. Acreditamos, considerando os estudos clínicos, que o ocrelizumabe tem o potencial de mudar o curso da doença e concretizar nosso objetivo de transformar o avanço no conhecimento científico em novas terapias que atendam às necessidades dos pacientes, nossa principal contribuição para a ciência e a sociedade”, afirmou o diretor médico da Roche Farma Brasil, Lenio Alvarenga.

O novo remédio da Roche causará um impacto gigantesco nas pessoas, na indústria e nas políticas públicas de saúde. Saiba mais sobre a revolução que o setor está passando na nossa HealthTech Conference.

(Via Terra)

[php snippet=5]