A Amazon ensina que empresas que analisam dados engolem a concorrência

Avatar

Por Lucas Bicudo

28 de junho de 2017 às 17:26 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A fase inicial do negócio Amazon-Whole Foods está dando o que falar. Analistas apontam que a Amazon está adquirindo uma operação de logística de primeira classe, um centro de distribuição global para seu próprio negócio de entrega de suprimentos e a oportunidade de vender para uma gama mais ampla de clientes de alta renda.

Mas grande parte dos comentários tecidos até agora perderam uma parte crucial da história: é tudo sobre os dados. O Wall Street Journal foi uma das poucas publicações que enfatizaram este aspecto vital da negociação.

O jornal acerta, com razão, que o negócio permitiria que a nova empresa combinasse seus conhecimentos online e offline para prever melhor que bens estarão disponíveis nas lojas e oferecer promoções de venda cruzada para clientes que compram em ambos os locais.

Tudo verdade. Mas há algo mais profundo envolvido aqui. Em geral, uma empresa web com dados de alta qualidade sobre seus clientes terá uma avaliação empresarial muito maior do que uma empresa de “economia real” de tamanho equivalente, com um conjunto de dados menos robusto. Por exemplo, o Walmart tem quatro vezes a receita, mas apenas metade do valuation da Amazon.

Essa alavanca de dados é a chave para a métrica de vida-valor-por-cliente, que é o que também impulsiona o valor da empresa. Se a aquisição da Whole Foods for realizada, a Amazon poderá adicionar informações do “mundo real” a sua coleção maciça de dados sobre seus compradores virtuais. E deve ser capaz de segmentar melhor suas preferências e aumentar o lucro como proporção de gastos por cliente.

Veja também: temos o e-book: “Como inovar em corporações com startups“, que pode ser baixado gratuitamente através do link e te ajudará a se situar sobre o que está rolando de mais quente no ecossistema.

Essas são as lições que devemos absorver do negócio:

Esse é apenas o começo. O acordo sinaliza o início de uma era, em que as empresas da web centradas em dados vão comprar mais e mais recursos do mundo real, para transformá-los em mais dados sobre as preferências e o comportamento dos consumidores.

Dados conferem vantagens competitivas que podem ser inatacáveis. As empresas B2C, com os conjuntos de dados mais abrangentes sobre o comportamento do cliente, serão as que estarão melhor posicionadas para alavancar estratégias e técnicas emergentes de Inteligência Artificial, como a Amazon faz. Você não pode replicar dez anos de história de compra da Amazon sem ser Amazon por 10 anos.

É a profundidade e precisão dos dados que contam. É verdade, no caso da Amazon, certamente são dados “grandes” – mas é o detalhe, consistência e precisão deles que os tornam significativos. Como os dados da Amazon fluem a partir de sua própria plataforma, a empresa pode aproveitar dados plurianuais, em um formato altamente padronizado, com os principais atributos do comprador.

Para organizações B2B, essa fusão proposta de dois gigantes de varejo deve ser alimento para algum pensamento sério. Como você está construindo e gerenciando seus conjuntos de dados proprietários, particularmente aqueles que definem suas principais relações comerciais – clientes, parceiros, fornecedores? Com que facilidade você pode acessar dados essenciais? É com certeza organizado para que seja acionável? Estas são questões críticas a considerar, pois os dados continuam a dominar como um dos componentes mais valiosos do negócio. As empresas com conjuntos de dados de alta qualidade serão melhor configuradas para o sucesso e para aqueles que não possuem, agora é o momento de torná-los uma prioridade.

A Amazon e outras gigantes estão mudando a forma como as pessoas compram. Atualmente a empresa fazum esforço amplo da varejista para conquistar a vanguarda do varejo físico também, juntando o online com o offline. Sabendo a importância desse tema, a StartSe lançou o Varejo Tech, um evento que acontecerá em São Paulo, no dia 23 de Agosto. Garanta sua vaga e fique por dentro de todas as novidades do setor varejista em primeira mão!

Baixe já o aplicativo da StartSe
App StorePlay Store