Ad Astra: a escola misteriosa criada por Elon Musk para seus filhos

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

19 de fevereiro de 2018 às 11:50 - Atualizado há 3 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Na infância, Elon Musk era uma criança considerada excêntrica até mesmo por seus pais, por viver imerso em livros, conforme relatado na biografia “Elon Musk: Tesla, Space-X, and the Quest of a Fantastic Future”. Os livros lidos eram principalmente sobre o espaço, e hoje Musk revoluciona o setor através da SpaceX.

Em 2015, Musk confirmou que não acreditava na escola tradicional e na educação que seus filhos estavam recebendo. Como empreendedor, criou a solução: a própria escola – chamada de “Ad Astra” (“Para as estrelas”, em latim).

Antes da Ad Astra, os filhos de Musk estudavam na escola Mirman, para crianças superdotadas, em Los Angeles. Quem iniciou o projeto foi um professor da própria escola, contratado pelo empreendedor.

Segundo a BBC, a Ad Astra é uma escola privada aberta em julho de 2015. Em setembro do mesmo ano, a escola possuía 20 alunos – hoje o número aumentou para 40. Os cursos da escola são destinados a crianças de 7 a 14 anos.

“Foi dito, em algum momento, que a Ad Astra era destinada a filhos dos funcionários da SpaceX, mas não está claro para quais trabalhadores a oferta é feita, nem a quantos ou em que condições”, disse Christina Simon, autora do livro “Beyond the Brochure: An Insider’s Guide to Private Elementary Schools in Los Angeles”, especializado nas escolas primárias e privadas da cidade.

[php snippet=5]

Se depender da própria escola, o mistério sobre sua admissão e funcionamento continuará. A BBC Mundo tentou entrar em contato para pedir mais informações sobre a escola diversas vezes, e em alguma das tentativas a Ad Astra permitiu uma visita informal, na qual apenas alguns detalhes seriam esclarecidos.

Um dos mitos que giravam em torno da Ad Astra é que era necessário um teste de QI. Na verdade, as crianças que desejam estudar na escola de Musk fazem visitas e interagem com a equipe – que aprova a participação ou não. Pelo processo seletivo não ser algo aberto, é difícil saber o que a Ad Astra procura nos estudantes.

Uma coisa é certa: alguns filhos de funcionários da SpaceX realmente estudam na escola – localizada perto da sede da empresa -, e os estudantes que não são filhos de funcionários da empresa espacial de Musk são indicados por conhecidos. Segundo a BBC, a escola afirmou que se tornará mais aberta – os pais poderão demonstrar o interesse em matricular seus filhos através de um formulário na internet.

O início da admissão de alunos através de formulários da internet deverá trazer o site da Ad Astra de volta a vida. No início, havia um portal no qual os responsáveis dos alunos poderiam acessar, mas o site não está mais disponível.

Didática

Mas afinal, além de ser criada por um empreendedor bilionário, o que a Ad Astra possui de diferente? O próprio Musk respondeu, em 2015: “A maior diferença em relação às outras escolas é que na Ad Astra não há cursos determinados pelo método tradicional. Algumas pessoas adoram o inglês ou os (outros) idiomas, outras, a matemática, outras, a música… São habilidades diferentes. O mais sensato é que a educação se adapte às suas habilidades e aptidões”.

Seguindo essa filosofia, a resolução de problemas na escola é feita de forma diferente – e muito mais inovadora. Elon Musk utilizou o exemplo de entender o funcionamento de um motor: para ensinar como funciona, é mais eficaz desmontá-lo e aprender passo a passo do que “iniciar um curso completo de chaves de fenda”.

Essa forma de aprendizado permite que os alunos se concentrem na essência do problema, buscando resolvê-lo independente das ferramentas existentes. Essa filosofia traz um ponto chave para a educação se tornar disruptiva e atemporal, pois novas ferramentas são inventadas todos os dias – e, ao aprender o funcionamento, trazendo uma resolução do problema e não dependendo de uma ferramenta específica, a solução nunca ficará ultrapassada. Para entender como a educação pode se tornar disruptiva através da tecnologia, participe da EdTech Conference – o maior evento sobre educação e tecnologia do país.

Outras filosofias presentes no currículo da Ad Astra são a ética e a moral. O ensinamento desses conceitos nos traz novamente à infância de Musk, no qual afirma ter sofrido bullying e, por isso, ter odiado a escola.

Como os outros empreendimentos de Musk, a Ad Astra carrega uma grande responsabilidade: a autora Christina Simon, especialista em escolas privadas, afirma receber e-mails e questões dos pais que desejam matricular seus filhos, mas não sabem como fazê-lo. “Eles não se importam com o que é a escola, quantos professores ela tem ou como funciona, informações que você normalmente deseja saber antes de escolher a escola de seus filhos. Só que se trata de Elon Musk”, afirmou.