Ações da Tesla sobem após acordo em que Musk deixará a presidência da companhia

Em acordo com a SEC, a companhia e Elon Musk pagarão US$ 20 milhões de multa cada e o empreendedor deixará de ser presidente, mas manterá cargo de CEO

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

1 de outubro de 2018 às 11:09 - Atualizado há 1 ano

Elon Musk

O desenrolar da história entre Elon Musk e a SEC, órgão regulatório do mercado americano, tem mais um capítulo: após a SEC iniciar um processo contra o empreendedor, ambos chegaram em um acordo que exige que Musk deixe de ser o presidente do conselho da Tesla.

Musk e a própria Tesla irão pagar uma multa de US$ 20 milhões, cada. Apesar de perder o cargo de presidente do conselho – ele não poderá retornar ao cargo em, no mínimo, três anos -, ele ainda fará parte da mesa diretora e continuará como CEO da empresa.

A Tesla também terá que pagar a multa de US$ 20 milhões por ter permitido que Musk divulgasse informações confidenciais no Twitter. Com o acordo, Musk não será obrigado a admitir ou negar nenhum comentário feito pela SEC e a empresa será obrigada a adicionar processos para a divulgação de informações.

O empreendedor terá 45 dias para deixar o cargo – o prazo começou a contar neste sábado, data em que o processo foi enviado. O acordo prevê que um novo presidente “independente” seja indicado.

Segundo a Bloomberg, o mercado recebeu a notícia do acordo de maneira positiva – as ações da Tesla subiram 16% no início da manhã para US$ 306,50 – muito abaixo do US$ 420 que Musk havia estipulado para torná-la uma empresa privada.

Com uma resolução para os conflitos recentes, agora a empresa deverá focar nas metas de produção de carros para o fim do terceiro trimestre. Para alcançar o resultado, a Tesla contou inclusive com voluntários nesse final de semana, como Andrew Done, dono de um Model S sedã, um Model X crossover e um Model 3. Done é presidente do clube de donos de Carros da Tesla nas regiões de Virginia e Maryland.