A Tesla Motors mudou de nome (e isso pode significar muita coisa)

Tesla Motors pode seguir exemplo da Apple e transformar-se apenas em Tesla, mudando estrategicamente seu mercado para o setor de armazenamento de energia

Avatar

Por Lucas Bicudo

23 de fevereiro de 2016 às 16:17 - Atualizado há 4 anos

Tesla

O co-fundador e ex-CEO da Apple Steve Jobs parecia saber que o iPhone seria um divisor de águas para o futuro da companhia, mesmo antes dela vender um smartphone sequer.

Em 9 de janeiro de 2007, Jobs decidiu largar a bandeira que a empresa vinha erguendo desde 1984, com seus computadores de sistema fechado, e simplesmente transformou a Apple Computers na Apple Inc. que conhecemos hoje. Naquele mesmo dia foi lançado o primeiro iPhone, que evidenciou magistralmente os novos caminhos que a marca estava disposta a tomar.

Hoje, talvez possamos contemplar novamente uma mudança de rumos, só que dessa vez com a Tesla Motors, que logo deve largar o Motors de seu nome e mostrar ao mundo o quão séria a empresa é em adentrar-se no setor de armazenamento de energia, como mostra o Business Insider.

Telas Motors adquire Tesla.com

“Gostaria apenas de agradecer Stu G pelo tesla.com”, disse o CEO Elon Musk no último sábado, pelo Twitter. “Sabemos que significa muito para você e cuidaremos bem dele”.

O tweet foi seguido de diversos relatórios publicados na internet que diziam que o site Tesla.com estava agora redirecionando todo seu tráfego para o TeslaMotors.com. Não seria surpreendente se Musk estivesse planejando uma junção dos dois domínios. Isso refletiria no quão empenhada a companhia está em aumentar o seu escopo de operações, nesse caso com a introdução de soluções de armazenamento de energia Powerwall e Powerpack.

Uma mudança estratégica

A mudança no nome da Apple, feita por Steve Jobs lá em 2007, foi justificada com uma frase do jogador do hall da fama da NHL Wayne Gretzky: “eu caminho para onde eu sei que o puck estará, não para onde ele já esteve”.

Enquanto a Apple observava o sucesso fora do ramo de computadores com seu iPod, o lançamento do iPhone já se transformava em motivos suficientes e necessários para alterar toda a estratégia da marca, a começar pelo seu nome. Em relatório divulgado no último trimestre, o smartphone representou uma gritante quantia de 68% de toda sua receita.

Nessa mesma toada, uma mudança no nome da Tesla poderia refletir positivamente na inclusão de produtos energéticos da marca como seu segmento principal de atividades. A companhia já está empreendendo em negócios de armazenamento de energia em escala que podem ser considerados os maiores da história da América do Norte.

Em carta recente aos acionistas da empresa, Tesla disse que o segmento já tem margens brutas para alcançar resultados positivos e que espera que haja contribuições consideráveis para o novo negócio da empresa.