9 sinais de que a Amazon está perseguindo “oportunidade de US$ 400 bilhões”

A empresa, que nasceu como um e-commerce, agora pode entrar no próximo grande mercado dela: logística.

Avatar

Por Da Redação

16 de fevereiro de 2016 às 11:40 - Atualizado há 4 anos

Jeff Bezos está rindo a toa. A gigante Amazon tem visto suas receitas crescerem fortemente desde seu lançamento, em meados da década de 90 – muito graças à entrada agressiva em novos mercados. É o que ele fez com a Amazon Web Services, por exemplo, que virou a principal nuvem de toda a internet.

A empresa, que nasceu como um e-commerce, agora pode entrar no próximo grande mercado dela: logística. São 9 sinais de que a empresa busca este novo mercado, avaliado em US$ 400 bilhões. A empresa tem tentado manter isto em segredo… mas não é algo que você possa esconder facilmente.

Com uma operação de logística, a companhia de Jeff Bezos passa a poder “ignorar” certos parceiros como a UPS e o FedEx, além de tornar seu produto ainda mais competitivo.

Leia também: 

O Netflix virou o HBO e agora o HBO quer virar o Netflix
A Microsoft quer roubar o Android do Google… e está conseguindo
O erro número 1 do Habib’s (sim, você não leu errado)
Os maiores erros do Google na história

Confira os nove sinais: 

  • Chamou-se de “servidor de serviços de transporte” pela 1ª vez na vida, em seus resultados.
  • Alugou 20 aviões de carga.
  • Registrou a Amazon China como uma operadora de navios de carga, permitindo o envio de produtos da China para os Estados Unidos.
  • Comprou milhares de caminhões com a marca da Amazon.
  • Aumentou o número de armazéns.
  • Contratou uma empresa de recrutamento para encontrar executivos que tenham experiência no mercado de entregas de pequenos produtos.
  • Começou a operar um serviço de entregas aéreas na Europa pouco antes do Natal.
  • Começou a ter problemas de relacionamento com a UPS, seu maior parceiro para entregas. Motivo? Aumento de custos.
  • Comprou 75% da companhia de entregas francesa Colis Privé. A Amazon já era dona de 25%.

Tudo isso aponta para a possibilidade da Amazon estar entrando em logística – e como a AWS, primeiro a empresa deverá apenas suprir sua própria demanda e depois abrir espaço para outras empresas usarem seus serviços. A AWS, por exemplo, possui clientes como a GE e o Netflix (este, um concorrente direto da Amazon no serviço de streaming).

Conteúdo de Appeando.