Empreendedora que falhou 148 vezes antes de receber aporte traz duas dicas

Kathryn Minshew é fundadora do The Muse e recebeu 148 "nãos" antes de receber aporte em rodada de investimentos

0
shares

Realizar rodadas de investimentos não é uma tarefa simples. Incontáveis pitches são feitos até a startup atingir o aporte desejado, principalmente nas primeiras rodadas, quando a startup ainda está começando a tracionar. Portanto, escutar alguns “nãos” nesse processo é comum – mas a empreendedora Kathryn Minshew escutou 148 vezes.

Kathryn Minshew é CEO e co-fundadora do The Muse, um site de pesquisa por empregos e conselhos de carreira. Quando a empreendedora recebeu um não, ela e a empresa já haviam levantado quase US$ 30 milhões. Mas, apesar do grande início, a empreendedora contou em um podcast que recebeu muitos nãos durante a rodada seed do investimento.

Por isso, quando chegou a hora da rodada série A, a CEO do The Muse encontrou duas iniciativas que a ajudaram na trajetória:

  1. Encontros com todos os investidores no período de três semanas

Na época em que recebia muitas negativas, Minshew encontrava possíveis investidores em qualquer horário em que estavam disponíveis. Com a experiência, a empreendedora mudou a abordagem, passando a estabelecer uma data limite para os encontros. A CEO do The Muse dizia algo como: “Eu preciso ter realizado todos os encontros até a data X. Eu posso adiar por alguns dias. Avise-me caso você possa, e, se não, tudo bem. Talvez haja alguma outra rodada que você possa participar”.

A empreendedora afirmou que muitos investidores rearranjavam suas agendas para agendar a reunião e, os que ainda assim negavam, provavelmente nunca investiriam na empresa. A abordagem incentiva para que os investidores marquem o encontro pois sentem que não podem perder a oportunidade de ao menos ouvir a proposta.

Uma das formas mais comuns que investidores escutam propostas é através de pitches – saiba como fazer o pitch perfeito em nosso e-book gratuito.

  1. Solicitação de feedback de usuários

A segunda estratégia a deixou confiante de que sua ideia era viável, através do feedback dos próprios usuários.

“Se você diz para alguém que é o fundador de uma empresa e pede pela opinião, eles provavelmente darão uma opinião positiva porque não querem ferir seus sentimentos”, disse Minshew. “Se você disser que é um consultor ajudando a empresa a se posicionar no mercado ou ajudando a saber o que está indo bem ou não, as chances aumentam de que a pessoa te dê um feedback sincero e sem filtros”.

E foi o feedback que a fez perceber que ela estava no caminho certo, mesmo com pontos que ainda poderiam ser melhorados.

(Via The Independent)

Atualize-se em apenas 5 minutos


Receba diariamente nossas análises e sinta-se preparado para tomar as melhores decisões no seu dia a dia gratuitamente.

Comentários