O plano do McDonald’s para acabar com uma grande despesa: trabalhadores

Um desses esforços são aumentar o número de lojas com quiosques de autoatendimento, já presentes em alguns lugares há vários anos

0
shares

O McDonald’s provavelmente é um dos maiores empregadores do mundo. Mas conforme os custos de empregar um jovem crescem (o que não é ruim, muito pelo contrário) ao redor do mundo, a empresa precisa de encontrar um jeito para manter estes custos em cheque e manter a lucratividade em um ambiente de despesas maiores e gastos maiores.

Por conta disso, a empresa iniciou um programa de substituição de uma das linhas de custo mais altas que eles possuem: os trabalhadores. E como fazer isso? Colocando máquinas que possam realizar o mesmo trabalho que essas pessoas, mas que possuem muito menos custos que eles.

Um desses esforços são aumentar o número de lojas com quiosques de autoatendimento, já presentes em alguns lugares há vários anos – principalmente em países com custos laborais mais altos, como na França (o McDonald’s da Champs-Élysées já é assim há anos). Outro é a presença de equipamentos na cozinha que precisam de menos pessoas para serem operadas.

Pode parecer cruel em um primeiro momento, mas é exatamente o que a humanidade vem fazendo ao longo de toda sua história: criando máquinas que podem desempenhar o trabalho anterior. Não é obrigação moral do McDonald’s empregar todas as pessoas que ele atualmente emprega. É obrigação moral entregar um bom lanche de qualidade para quem paga. Apenas para o consumidor.

E esse avanço tecnológico é bom para a economia: se antes eram necessárias três pessoas para entregar os lanches e agora só é necessário uma, as duas pessoas podem buscar novas ocupações que farão mais sentido econômico, como trabalhar em outras empresas que precisam desta mão de obra ou empreender.

No final dessa “dança das cadeiras”, a economia será mais produtiva (mas é importante que as pessoas consigam novas ocupações rapidamente, afinal, o desemprego é uma tragédia para quem passa por ele) e maior do que antes. Os efeitos da tecnologia são muito positivos quando sentidos no longo prazo.

O próprio McDonald’s é “filho” da tecnologia aplicada ao desenvolvimento de novos mercados: os irmãos McDonald’s desenvolveram um método barato e rápido para produzir os lanches – que acabou chamando a atenção de Ray Kroc, que transformou a pequena rede em uma grande corporação ao longo dos anos.

Mudanças chegaram em massa agora

As máquinas de autoatendimento agora vão passar por uma expansão sem precedentes dentro do McDonald’s, que pretende fazer a instalação em diversos locais. Inclusive, um dos restaurantes receberam essa novidade é uma das principais lojas da rede no Brasil: a loja localizada entre Avenida Brasil e Avenida Henrique Schaumann, em São Paulo, que abriu com este modelo no dia 27 de julho de 2017, quase um ano atrás. Ao redor do Brasil, já são centenas de lojas que possuem.

Nessas “novas lojas”, o McDonald’s quer disruptar o modelo anterior de fast-food. Ao invés de buscar o lanche, em boa parte dessas lojas o lanche virá até sua mesa. O antigo funcionário, que antes ficava atrás de uma máquina registradora, agora poderá andar pela loja, ajudar as pessoas, anotar pedidos, limpar coisas... deixar tudo mais eficiente.

Já nos Estados Unidos, a empresa vai fazer esse novo sistema deve atingir todas as lojas até 2020. Isso pode economizar milhões de dólares em custos trabalhistas, sobretudo com a alta do salário mínimo em grandes estados americanos. Além disso, a empresa está testando pela primeira vez um delivery próprio nos Estados Unidos – seu principal mercado -, em parceria com o UberEATS. Isso poderá também aumentar vendas.

Inovação

O McDonald’s é uma das empresas que, para ser inovadora, abriu um laboratório de pesquisa e desenvolvimento no Vale do Silício, a região mais inovadora do mundo atualmente. Lá, pode testar novas fórmulas. Outras gigantes fizeram o mesmo movimento, como o Walmart, por exemplo. Conectar-se em ambientes de grande inovação ajuda as companhias a entenderem o que a tecnologia é capaz de fazer.

Essa mudança do McDonald's é um dos primeiros passos que deverão ocorrer ao redor do mundo para diminuir o trabalho repetitivo e pouco produtivo. Esse é o futuro do trabalho: máquinas cada vez mais presentes nos ambientes fazendo o trabalho para os seres humanos. Venha conhecer esta tendência e muitas outras em um evento exclusivo da StartSe sobre o FUTURO DO TRABALHO E DA GESTÃO.

Atualize-se em apenas 5 minutos


Receba diariamente nossas análises e sinta-se preparado para tomar as melhores decisões no seu dia a dia gratuitamente.

Comentários