Bradesco lança app semelhante ao Guiabolso para clientes

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

14 de dezembro de 2018 às 20:59 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 22 a 25/Fev - 2021, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

O Bradesco anunciou nesta sexta feira (14) o lançamento do Simplifica, um aplicativo de gestão e organização de finanças pessoais

A solução, que será integrada ao app principal do banco, permite que os clientes tenham acesso a uma visualização automática das despesas da conta corrente, cartão de crédito e lançamentos de extratos — sem a necessidade de preencher as informações. 

O usuário também poderá planejar metas e consultar dicas personalizadas para cumpri-las. As transações poderão ser direcionadas para três grupos: gastos fixos, gastos variáveis e economias. Caso precise, o cliente pode editar as informações e detalhar as categorias de cada compra. Atualmente, o aplicativo está em testes com funcionários do banco e deverá ser lançado para os clientes em janeiro.

Interface do aplicativo Simplifica.

Novo Guiabolso?

Com funcionalidades semelhantes, o Simplifica é parecido com um app bem conhecido: o Guiabolso, criado pela startup de mesmo nome e que há quatro anos passa por um desentendimento com o banco.

Em 2014, o Bradesco considerou investir na expansão da Guiabolso por meio de um programa interno para oferecer, com exclusividade, o serviço aos clientes do banco.  Os donos da startups, porém, optaram pelo financiamento com fundos estrangeiros.

Em março de 2016, o Bradesco entrou na justiça acusando a Guiabolso de violar o sigilo dos clientes do banco, acessando informações confidenciais. O Bradesco entrou com um processo solicitando que o aplicativo não pudesse mais coletar dados como agência, número de conta e senhas dos usuários.

Na época, o juiz Eduardo Pellegrinelli negou tutela de urgência — concedida em casos de riscos ou danos graves de difícil reparação.

O caso veio novamente à tona quando o Ministério da Fazenda decidiu entrar no processo, que ainda está em andamento, para uma investigação de suposto abuso de poder dominante pelo banco.