Táxi aéreo autônomo da Boeing levanta voo

Da Redação

Por Da Redação

23 de janeiro de 2019 às 16:14 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

A Boeing anunciou, na terça-feira (22), que o seu protótipo de táxi aéreo autônomo completou o primeiro voo de teste, em Manassas, na Virgínia (EUA). Com isso, a fabricante  norte-americana de aeronaves dá um passo à frente na disputa com Uber, Intel e Airbus, que buscam uma solução para resolver o caos do trânsito urbano nas grandes cidades. Segundo a empresa, o modelo é projetado para trasportar passageiros em ruas congestionadas e desviar de prédios.

Recentemente, a Uber, em parceria com a Bell Helicopter, apresentou o seu projeto de táxi aéreo voador para até 5 pessoas. A empresa planeja começar a testar os projetos de carros voadores em 2020 e lançá-los comercialmente em 2023.

Já a Airbus investiu em vários conceitos de táxi aéreo autônomo e, no ano passado, testou um protótipo chamado Vahana pela primeira vez. Guillaume Faury, diretor de aeronaves comerciais, que deve se tornar presidente da Airbus em abril, segundo informação veiculada pela Airbus , disse que espera que a demanda venha inicialmente de clientes premium, que viajam entre aeroportos e distritos comerciais para a região central das cidades.

O táxi aéreo autônomo de Boeing tem 9,15 metros de comprimento e 8,53 metros de largura e foi projetado para ter autonomia de voo de 80 quilômetros. A aeronave pousou e aterrissou, em um voo que durou menos de um minuto, comunicou a Boeing.

Os concorrentes da Boeing, incluindo a Airbus e a unidade de helicópteros TXT, também estão desenvolvendo táxis aéreos autônomos para transportar passageiros pelas cidades. Gigantes da tecnologia, como Intel e Uber, estão investindo nesses e em outros projetos para colocar os passageiros urbanos nos céus.

Barreiras legais

Não está claro quando estes veículos poderão entrar em uso regular. Os táxis aéreos e o software que os administra passam por rodadas de testes e aprovações de autoridades municipais, estaduais e federais. Por isso, obter tais aprovações podem levar anos. Experiências recentes de voo envolvendo drones revelaram o impacto que estes veículos têm sobre o tráfego da aviação comercial.

No ano passado, um veículo autônomo da Uber atingiu e matou um pedestre no Arizona. A empresa suspendeu suas operações de teste no Arizona e também suspendeu os testes com veículos autônomos em vias públicas em outros lugares. Fatos como este, levam a crer que as aprovações dos órgãos reguladores para veículos autônomos podem levar anos.

No entanto, líderes do setor aeroespacial preveem que carros voadores e táxis farão parte do mix de trânsito urbano mais cedo do que os céticos esperam. Cada um dos táxis aéreos autônomos em desenvolvimento, geralmente, decola e pousa como um pequeno helicóptero, que poderia transportar vários passageiros. Eles transportariam passageiros entre locais predeterminados.

“Esses veículos vão começar a voar nos próximos anos”, disse Greg Hyslop, diretor de tecnologia da Boeing, em um show aéreo em julho de 2018. “Eu não acho que estamos falando de décadas.”