Uber estreia na bolsa de NY com preço abaixo do esperado

José Eduardo Costa

Por José Eduardo Costa

10 de Maio de 2019 às 10:31 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Uber realizou ontem a sua oferta pública inicial de ações (IPO) a US$ 45 por ação, perto do patamar mais baixo esperado pelo mercado. A empresa estava mirando uma faixa de US$ 44 a US$ 50 por ação. O valor realizado por ação pela Uber, mais conservador, se deve, segundo analistas, às dificuldades que a empresa precisa superar no curto e médio prazos.

O primeiro desafio é atingir a lucratividade. Só em 2018, a Uber teve prejuízo de 3 bilhões de dólares, em meio a faturamento de 11,3 bilhões. Um possível caminho para reverter esse quadro seria justamente deixar de lado os motoristas e empregar carros autônomos, o que aparentemente está distante de acontecer.

O IPO da Uber ocorre pouco mais de um mês depois da oferta inicial de ações da Lyft, que abriu capital em março, chegou a valor de mercado de US$ 24,3 bilhões, mas as ações caíram 27% desde então. Sendo que tanto a Uber quanto a Lyft compartilham do desafio da lucratividade, mas também de lidar com eventuais regulações de governos, cada vez mais restritivas às suas operações, enquanto precisam crescer.

Ciente disso tudo, a Uber e seus underwriters estão adotando uma abordagem conservadora para precificar as ações após duas semanas de reuniões de roadshow com investidores. Houve demanda para as ações a preços mais altos, mas a Uber procurou colocá-las nas mãos de investidores institucionais ao invés de optar por investidores de fundos de hedge e de varejo. A aposta da Uber é de que os investidores institucionais serão mais pacientes e terão uma estratégia de longo prazo para os investimentos.

Na quarta-feira (8), os motoristas da Uber fizeram uma espécie de greve mundial, batizada de #UberOff, com o objetivo de mostrar para a empresa que estão descontentes com o valor que recebem pelas corridas, por meio do repasse da Uber. Em São Paulo, a estimativa é que 30% dos motoristas tenham participado, segundo a Associação de Motoristas de Aplicativo de São Paulo. No Brasil, a Uber tem mais de 600.000 motoristas. A paralisação também pode pressionar ainda mais legisladores mundo afora a apresentarem regulações às empresas de transporte por aplicativo.

Como se vê, a Uber tem dias duros pela frente. A empresa deve começar a ser negociada na Bolsa de Nova York (NYSE) hoje, sob o símbolo “UBER”, na estreia mais esperada dos Estados Unidos desde o Facebook, há sete anos.