Startup Argo AI investirá US$15 milhões em centro de pesquisa para veículos autônomos

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

25 de junho de 2019 às 10:51 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A startup Argo AI anunciou que investirá US$15 milhões em um novo centro de pesquisa para veículos autônomos nos Estados Unidos. O espaço será construído na Carnegie Mellon University (CMU), em Pittsburgh e abrigará pesquisadores focados em algoritmos avançados de percepção e decisão. Em um comunicado, a empresa afirmou que o investimento será realizado ao longo de cinco anos e que o centro terá uma equipe de líderes universitários de renome mundial. Com a iniciativa, a startup espera apoiar estudantes que realizam pesquisas para avançar na próxima geração de tecnologia autônoma.

“Enquanto a equipe da Argo AI enxerga um caminho para alcançar as oportunidades iniciais de comercialização de tecnologia autônoma, ainda há avanços necessários para poder perceber e navegar de forma autônoma nas condições mais complexas”, afirmou Deva Ramanan, chefe da pesquisa de machine learning da startup.

O centro de pesquisa ajudará a Argo AI a aprimorar sua tecnologia e desenvolver veículos prontos para circular em ambientes mais complexos. “Para construir sistemas robóticos que podem operar no mundo real, uma enorme quantidade de infraestrutura é necessária para integração contínua de software, coleta e processamento de dados de sensor em grande escala e manutenção e refinamento de frota”, disse Ramanan.

A Argo fornecerá acesso a dados, infraestrutura e plataformas para estudantes da CMU envolvidos em pesquisa de veículos autônomos. “Notavelmente, esse acesso é combinado com um compromisso de produzir pesquisa aberta, software e conjuntos de dados que podem ser usados ​​pela comunidade de pesquisa como um todo”, afirmou Deva.