SpaceX, de Elon Musk, deseja lançar mais 40 mil satélites de internet no espaço

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

17 de outubro de 2019 às 18:01 - Atualizado há 6 meses

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

A SpaceX enviou uma solicitação para operar 30 mil satélites, que serão somados a outros 12 mil já planejados, confirmaram nesta quarta-feira (16) a empresa espacial americana e uma agência da ONU.

A empresa lançou 60 satélites em testes no início deste ano. Eles deverão começar a funcionar em maio do ano que vem, um ano depois de lançados, nos Estados Unidos e Canadá. O objetivo é construir uma “constelação” artificial composta por mini-satélites, capazes de enviar internet de alta velocidade à Terra.

De acordo com a SpaceX, serão necessários cerca de 24 lançamentos para a construção de uma constelação que cubra o globo terrestre. Eles orbitarão em uma altura relativamente baixa (a distância é de 550 km da Terra). A iniciativa gerou preocupação em astrônomos.

Cerca de 2,1 mil satélites ativos orbitam a Terra hoje, de cerca de 23 mil objetos em órbita que foram catalogados (satélites inativos, estágios de foguetes, detritos espaciais, entre outros). Por isso, a perspectiva de adicionar mais 42 mil objetos gera preocupação.

Os astrônomos temem que essa constelação de satélites artificiais arruíne as observações com telescópios da Terra. Quando o primeiro conjunto de satélites foi colocado em órbita, vários astrônomos fotografaram uma sucessão de pontos brilhantes.

A SpaceX não é a única empresa que está apostando em satélites para fornecer acesso à internet. O Facebook lançou uma iniciativa semelhante em 2016 e contou com a ajuda da empresa espacial de Elon Musk. Na época do lançamento, os satélites explodiram.

Mais recentemente, em abril deste ano, a Amazon anunciou o “Projeto Kuiper”. A varejista planeja lançar 3.236 satélites na órbita terrestre. Jeff Bezos, fundador da Amazon, possui a Blue Origin – companhia espacial que teria afinidade para contribuir no assunto.