Saúde mental no mundo corporativo vira prioridade de RHs e fundos de investimento

João Ortega

Por João Ortega

20 de fevereiro de 2020 às 18:30 - Atualizado há 7 meses

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A saúde mental de colaboradores é uma preocupação cada vez maior dentro das empresas. Problemas psicológicos diminuem a produtividade do funcionário e, se não tratados, tornam-se doenças que requerem dispensa médica do serviço. Depressão e ansiedade já são a principal causa de afastamento do trabalho no Brasil e no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em casos mais críticos, o esgotamento no trabalho leva ao “Burnout”, distúrbio emocional de exaustão extrema que, segundo pesquisa da USP, já afetou um em cada cinco brasileiros ativos profissionalmente. Neste cenário alarmante, as áreas de recursos humanos das empresas estão aumentando investimento em ferramentas de bem-estar para seus funcionários.

De acordo com levantamento da Exame, 46% das organizações no país têm alguma prática benéfica para a saúde mental do colaborador. Elas vão desde massagem, exercícios de meditação a canais de suporte telefônico. No entanto, apenas 16% das empresas que participaram da pesquisa têm psicólogos atuando no dia-a-dia do negócio.

Startups

Neste contexto, startups buscam solucionar este problema com uso da tecnologia. Entre as empresas iniciantes no mercado de saúde mental do Brasil, estão a Hisnëk e a Vittude. A primeira criou um software de inteligência artificial em que colaboradores das empresas que contratam o serviço fazem um acompanhamento diário do seu estado mental. A segunda permite consultas com psicólogos à distância e presencialmente.

Além de se situarem no mesmo mercado, há um fator em comum entre as startups: ambas receberam aportes milionários nos últimos meses. A Vittude levantou, em novembro, um investimento de R$ 4,5 milhões liderado pelo fundo Redpoint Ventures. Já a Hisnëk recebeu R$ 1 milhão em sua terceira rodada, liderado pelo investidor Claudio Haddad, um dos fundadores do Insper.

Interesse de investidores é, por si só, uma validação de que as soluções são efetivas e, principalmente, há mercado para a promoção da saúde mental no ambiente corporativo. De acordo com estudo da KPMG, investir em saúde mental dos funcionários traz um retorno de quatro vezes o valor gasto.

Neste webinar, Tatiana Pimenta, CEO e fundadora da Vittude, fala sobre a importância dos psicólogos na Nova Economia e ressalta: “é um papel de todas as organizações olhar para a saúde mental de seus funcionários”.