Quero Educação lança forma de pagamento inédita para mensalidades de faculdades

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

11 de outubro de 2019 às 10:17 - Atualizado há 12 meses

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Quero Educação anunciou um novo recurso para sua plataforma. A startup, que conecta estudantes e universidades por meio do Quero Bolsa — onde vagas ociosas são disponibilizadas por preços menores — agora oferece débito automático como opção de pagamento em seu site e aplicativo. O objetivo é melhorar a jornada de compra do aluno, trazer conveniência ao processo e diminuir inadimplência, acúmulo de mensalidades e evasão escolar. 

Para usar a modalidade, o aluno cria seu perfil na plataforma e cadastra um cartão de débito. Também é possível escolher um período pré-determinado de pagamento. A cobrança acontece de forma automática todos os meses e é debitada da conta corrente do usuário. 

Segundo André Narciso, CEO da Quero Educação, 70% dos mais de 500 mil matriculados no Quero Bolsa possuem conta-corrente digital. Mesmo assim, a maioria ainda opta por pagamento por boleto bancário. Pensando nisso, a startup decidiu inovar. “Os maiores serviços de streaming do mundo já adotam o débito de recorrência com excelente aceitação e queremos que o acesso à educação seja tão simples quanto a músicas ou filmes”, ressaltou o executivo em um comunicado.

A solução foi desenvolvida em parceria com a fintech Pagar.me, Banco do Brasil e Visa. A expectativa da Quero Educação é que até 2020 mais de 100 mil alunos utilizem a modalidade. “Acreditamos no poder da tecnologia para transformar negócios. Este novo modelo de pagamento é um avanço para o setor da educação no Brasil. Com certeza irá modernizar e trazer uma melhor experiência de compra para os alunos de diversas instituições de ensino”, disse Eduardo Macedo, diretor da Pagar.me.