Polícia chinesa está utilizando óculos de reconhecimento facial em estações de trem

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

8 de fevereiro de 2018 às 11:43 - Atualizado há 4 anos

Logo Novo Curso

Transmissão exclusiva: Dia 08 de Março, às 21h

Descubra os elementos secretos que empresas de sucesso estão usando para se libertar do antigo modelo de Gestão Feudal de Negócios.

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A polícia ferroviária da China está contando com a ajuda da tecnologia para detectar pessoas suspeitas em estações de trens em Zhengzhou. Os óculos têm ajudado a encontrar pessoas que possuem documentos falsos e pessoas supostamente criminosas.

Os óculos são similares ao Google Glass e tem acesso a uma base de dados capaz de comparar rostos dos passageiros com criminosos suspeitos. Os óculos foram desenvolvidos pela LLVision Technology. O CEO da empresa, Wu Fei, afirmou ao The Wall Street Journal que o sistema pode identificar rostos em uma base de dados de 10 mil faces em 100 milissegundos.

A tecnologia já ajudou a identificar 26 pessoas usando documentos falsos e sete suspeitos criminosos de terem cometidos crimes de infrações de trânsito à tráfico humano. Documentos falsos são utilizados porque na China é proibido viajar de trem sem qualquer tipo de documento.

Além dos óculos de reconhecimento facial, a China está desenvolvendo um sistema para reconhecer qualquer um de seus 1,3 bilhões de habitantes em três segundos. A medida tem trazido polêmica em grupos de direitos humanos, que afirmam que é invasão de privacidade.

A China é uma referência no desenvolvimento e adoções de novas tecnologias, sejam estas polêmicas ou não. A cada dia, as empresas de tecnologia do país – como Baidu, Tencent, Alibaba e Xiaomi -, estão crescendo com mais forças, competindo com gigantes de todo o mundo. Para realizar uma missão de aprendizado conhecendo as maiores empresas do maior mercado do mundo, conheça a Missão China.

(Via Business Insider)

[php snippet=5]