Os aprendizados de Eric Santos, CEO da Resultados Digitais

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

27 de agosto de 2019 às 18:14 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

À frente de uma das maiores startups de Santa Catarina, Eric Santos se tornou referência quando o assunto é empreendedorismo. O executivo é um dos fundadores da Resultados Digitais, startup de marketing e vendas para pequenos e médios negócios. Hoje, a RD Station, plataforma criada pela empresa, é usada por 13 mil clientes em todo o Brasil. 

Fundada em 2010 e com sede em Florianópolis, a startup tem 700 funcionários e escritórios em São Paulo, Joinville, México, Colômbia, Portugal e Espanha. Recentemente, a empresa anunciou um investimento de R$ 200 milhões liderado pelo fundo Riverwood Capital. 

Venha aprender com as startups mais inovadoras do mercado como encantar clientes, criar novos modelos de negócios e captar investimentos de milhões de dólares

Segundo Eric, se adaptar a mudanças foi fundamental para o crescimento da Resultados Digitais. “Temos algumas fases dentro da startup. É como escalar o Everest. Você não sai em uma linha reta e cada um dos trechos requer um conjunto diferente de equipamentos e habilidades”, ressaltou o empreendedor durante o Startup Summit 2019.

Novo foco

Recentemente, a startup passou por uma reestruturação a partir dos resultados de dois estudos — um sobre sua base de clientes e outro sobre seus 2 mil parceiros (agências de marketing que vendem os produtos da RD). Segundo Eric, olhar com disciplina para essas informações fez com que a empresa entendesse com clareza quais partes do modelo de negócio funcionavam bem ou não.

Analisando os dados, a startup conseguiu identificar a maturidade dos clientes e decidiu não trabalhar com alguns segmentos. “Entendemos que alguns perfis não tinham a mesma chance de sucesso que outros. O que fizemos na essência foi ajustar o funil. A nossa projeção agora é baseada em outro cenário”, explicou Eric.

Segundo o executivo, empreender é isso: tomar decisões. “Se é uma escolha difícil, analise, estude e debata. No nosso caso, tivemos um bom trabalho interno de analisar esses dados. Quando temos mudanças maiores, envolvemos também os nossos parceiros”, ressaltou. 

Com o investimento de R$ 200 milhões, a empresa se prepara para criar ofertas alternativas para os clientes que ainda não estão prontos para automatizar o marketing. Além disso, planeja aperfeiçoar a sugestão de produtos com o uso de tecnologias como inteligência artificial, big data e machine learning.