O que você precisa saber sobre inovação hoje – 10/02/2020

Loft adquire startup de pesquisa de mercado, coworkings abrem as portas ao público em SP e muito mais

João Ortega

Por João Ortega

10 de fevereiro de 2020 às 19:50 - Atualizado há 2 semanas

Reunimos, a seguir, as principais notícias relacionadas a inovação, tecnologia e empreendedorismo no Brasil e no mundo. O que você precisa saber para se manter informado nesta segunda-feira (10) é:

Loft adquire startup Spry

A Loft, startup de imóveis que se tornou unicórnio no início do ano, anunciou nesta segunda-feira (10) a aquisição da Spry. A startup adquirida conta com soluções em pesquisa de mercado e deve otimizar a inteligência de dados da Loft. Não foram revelados os valores da aquisição, que é a segunda da história da Loft – em novembro do ano passado.

Coworkings abrem as portas em São Paulo

Na madrugada deste domingo (9) para segunda-feira, a cidade de São Paulo sofreu com um volume de chuva muito maior do que o esperado. Com dezenas de pontos alagados, a mobilidade urbana foi drasticamente reduzida. Para auxiliar as pessoas que precisam trabalhar e não podem se deslocar até o escritório, dezenas de espaços de coworking abriram as portas ao público sem custos.

Airbnb fora do ar em Pequim

O Airbnb, plataforma de aluguéis de espaços para temporada, suspendeu todos os anúncios em Pequim, na China. O motivo foi a epidemia do coronavírus no país asiático. A suspensão vai durar até o fim de fevereiro e, de acordo com a startup, todas as reservas já realizadas serão ressarcidas.

Tesla foca em energia solar residencial

A Tesla, fabricante de automóveis elétricos, está focando em uma linha de negócio diferente dos automóveis. Segundo Elon Musk, CEO da empresa, placas solares já estão sendo instaladas nos telhados diversas residências na Califórnia. O empreendedor espera aumentar a produção para 1000 telhados por semana e levar este produto para Europa e China em breve.

Facebook no STF

A diretora jurídica do Facebook compareceu ao Supremo Tribunal Federal para uma audiência pública. A executiva defendeu que a justiça brasileira se alinhe aos EUA em relação a decisões que obriguem a empresa a compartilhar dados dos usuários para investigações criminais. Segundo o Facebook, caso ele divulgue dados que estão armazenados em servidores norte-americanos, ele pode sofrer processos no país de origem.