Netflix pode comprar cinema histórico em Hollywood

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

11 de abril de 2019 às 08:17 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Netflix está estreitando seus laços com Hollywood. Após levar três Oscars com o filme “Roma”, o serviço de streaming pode adquirir o cinema Egyptian Theatre, em Los Angeles, nos Estados Unidos. A preferência por esse cinema não é de hoje: ele foi o escolhido para a estreia do filme premiado.

O cinema, que está localizado na Hollywood Boulevard, sediou a primeira première de filme, segundo a Bloomberg. Agora, ele poderá ser utilizado para realizar os lançamentos da própria Netflix e exibir as produções da empresa. O streaming tem apostado em premières em cinemas desde o ano passado.

Atualmente, a dona do Egyptian Theatre é a American Cinematheque, uma organização sem fins lucrativos. Segundo fontes informaram à Bloomberg, a expectativa da Netflix não é de utilizar o cinema para fins comerciais.

Esse pode ser um passo importante para o fortalecimento do streaming dentro da indústria do cinema, já que ainda enfrenta críticas no meio. Para o diretor Steven Spielberg, que dirigiu o filme “E.T”, Jurassic Park, entre outros, a Netflix não deve participar de premiações como o Oscar, mas sim do Emmy. Neste ano, as produções da empresa receberam 15 indicações ao Oscar.

Algumas das críticas do diretor são o tempo reduzido de exibição dos filmes da Netflix nos cinemas e a pouca margem até lançá-los na plataforma online, diferente do que acontece com as produtoras convencionais.

Hoje, a produção de conteúdo original é um dos pilares da Netflix, o que diminui gastos contratuais e de direitos de obras e fortalece sua atuação frente a concorrência como HBO Go e Hulu. No final do ano passado, a empresa planejava levantar US$ 2 bilhões para investir no conteúdo próprio.