Mudança na Netflix afetará receita da Apple em US$ 256 milhões

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

2 de janeiro de 2019 às 13:19 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Uma mudança simples da Netflix ressoará nos caixas de Apple: ela deixará de aceitar pagamentos de assinaturas através do iTunes.

Até então, usuários do iTunes – reprodutor de mídia da Apple – poderiam pagar o serviço de streaming direto do aplicativo. Com isso, a Netflix pagava uma taxa de 15% das assinaturas para a Apple, o que impactava em seu lucro.

De acordo com dados do Sensor Tower, o ganho de receita da Apple devido aos 15% de taxa foi de cerca de US$ 256 milhões neste ano. Ao todo, US$ 853 milhões da receita da Netflix em 2018 vieram através de assinaturas pelo iTunes.

Com a mudança, a Netflix deixa de aceitar que novos usuários se cadastrem pelo iTunes. No Brasil, estão disponíveis as opções de pagamento por cartões de crédito, débito, pré-pagos, entre outros.

Os já assinantes pelo iTunes poderão continuar com o método de pagamento, mas não poderão mantê-lo caso renovem a assinatura.

A Netflix não é a primeira a mudar

Em 2016, o Spotify acusou a Apple de adotar “práticas anticompetitivas” devido as taxas cobradas nas assinaturas. Na época, o percentual era de 30% para streamings não parceiros – hoje, a taxa de 15% passou a ser válida para qualquer assinatura de mais de um ano.

Na época, a apple se defendeu Apple falando sobre as “grandes oportunidades e lucros” do Spotify através da disponibilização na App Store. Em 2016, eram mais de 160 milhões de downloads do aplicativo na plataforma. Atualmente, o aplicativo é o segundo mais baixado na categoria “Música” na App Store.

Hoje, as assinaturas através do iTunes não estão disponíveis para o Netflix ou Spotify.