MIT está construindo robôs que se transformam em pontes e até barcos

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

5 de junho de 2019 às 18:31 - Atualizado há 1 ano

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

O Massachusetts Institute of Technology (MIT) anunciou, nesta quarta-feira (5), o Roboat, projeto em parceria com o Amsterdam Institute for Advanced Metropolitan Solutions (AMS Institute). Com a iniciativa, a universidade planeja construir uma frota de barcos robóticos autônomos que forneçam mobilidade inteligente na água para aliviar os congestionamentos nas ruas de Amsterdam. Hoje, a cidade possui 165 canais.

De acordo com o MIT, o objetivo é usar os robôs para transporte nas hidrovias e construção temporária de estruturas como pontes, palcos para eventos ou até mesmo pequenos mercados. Com o Roboat, o MIT também pretende coletar, por meio de sensores, dados sobre infraestrutura da cidade, qualidade do ar e água e outros fatores.

A ideia é que os dispositivos possam se unir e montar as estruturas automaticamente de acordo com as demandas. Para isso, o sistema será formado por estações de acoplamento, com alguns Roboats fixos. Cada uma terá uma AprilTag, etiqueta semelhante a um QR Code, que permite que os robôs detectem e calculem sua posição e orientação com base nas informações estabelecidas. Os robôs ainda serão equipados com sensores, propulsores subaquáticos, GPS e câmeras capazes de guiá-los para caminhos pré-determinados.

Em 2016, pesquisadores do MIT testaram um protótipo do Roboat nos canais de Amsterdam. Já em 2018, construíram uma versão impressa em 3D equipada com algoritmos de rastreamento. Agora, estão projetando unidades maiores que ficam mais estáveis na água. “As tecnologias de autopropulsão podem economizar tempo, custos e energia e melhorar o avanço da cidade”, disse Luis Mateos, pesquisador no MIT Senseable City Lab. 

Versão impressa em 3D por pesquisadores do MIT.