Microsoft muda política e avisa que humanos podem estar ouvindo áudios

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

15 de agosto de 2019 às 11:21 - Atualizado há 1 ano

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Após a Vice informar que a Microsoft estaria ouvindo áudios dos usuários no Skype na modalidade de tradução, a empresa alterou sua política de privacidade. Agora, a companhia avisa que os dados pessoais podem ser analisados por inteligência artificial e humanos.

“Nosso processamento de dados pessoais para esses propósitos inclui automação e métodos manuais (humanos)”, descreve o documento. Os propósitos da Microsoft incluem melhorias no desenvolvimento de produtos, personalização e recomendação.

No FAQ do Skype, a companhia também afirma que funcionários da Microsoft e terceiros podem realizar a transcrição dos áudios, inclusive para retirar dados de identificação de usuários. A empresa garantiu que todos os envolvidos possuem acordos de não divulgação que atendem aos “altos padrões de privacidade da lei europeia”. Usuários podem deletar seus áudios gravados em uma página específica.

A empresa havia informado que escutava os áudios apenas na modalidade de tradução para garantir que a inteligência artificial estava atuando corretamente, melhorando o sistema. Além do Skype, a Microsoft também ouve as solicitações do usuário à Cortana, assistente de voz da empresa.

Ouvir áudios de assistentes de voz é algo que outras empresas também foram criticadas recentemente. Isso aconteceu com a Apple (que afirmou que deixará de fazê-lo), Amazon e Google. O Facebook, que não possui uma assistente própria, foi criticado por ouvir as mensagens do aplicativo Messenger.