Microsoft vai levar internet a 40 milhões de pessoas na América Latina e África

João Ortega

Por João Ortega

8 de outubro de 2019 às 18:25 - Atualizado há 12 meses

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Microsoft quer conectar o mundo à internet, e está trabalhando aos poucos para isso. O projeto Airband tem o objetivo de promover acesso à rede para comunidades isoladas. O próximo passo da iniciativa é levar internet a 40 milhões de pessoas na América Latina e na África.

Segundo a Microsoft, o Airband tem duas missões: eliminar o vácuo rural de banda larga nos EUA e acabar com a divisão digital mundial. Na prática, a empresa levou, na primeira fase do projeto, internet para 3 milhões de norte-americanos em zonas rurais (o que se relaciona com a primeira missão). Além disso, ela também promoveu acesso à rede para 3 milhões de colombianos e 800 mil moradores de Gana, sempre em regiões remotas, para adereças a segunda missão.

Agora, o foco é na América Latina e na África Subsaariana, e tem proporções maiores. Para impactar 40 milhões nessas regiões até 2022, a Microsoft criou um plano que integra redes sem fio fixas, satélite e frequências de televisão (tecnologia chamada de super wifi). Este modelo com múltiplas fontes reduz custos de implementação e manutenção da rede em locais com pouca infraestrutura.

O Airband, no entanto, não se restringe a entregar internet a preços baixos. Com parcerias locais, o projeto visa realizar de fato a transformação digital das áreas rurais e impactar a agricultura, a educação, o empreendedorismo e promover a telemedicina. Assim, a iniciativa consegue implementar um desenvolvimento sustentável que traz retorno real às comunidades, bem como às gerações futuras.

A Microsoft não é a única empresa de tecnologia dos EUA com interesse em conectar o resto do mundo. A Amazon pretende fazê-lo lançando milhares de satélites no espaço, assim como a SpaceX, de Elon Musk.