Mark Zuckerberg abandona metas de ano novo para focar na próxima década

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

10 de janeiro de 2020 às 18:15 - Atualizado há 5 meses

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

Desde 2009, Mark Zuckerberg divulga em seu perfil do Facebook suas resoluções de ano novo. Usar gravata todos os dias, aprender mandarim e programação, ler um novo livro a cada semana e correr todos os dias foram algumas das metas já estipuladas pelo empreendedor. Neste ano, o executivo decidiu quebrar a tradição, dispensando a lista de objetivos anuais. 

O empreendedor afirmou que, a partir de agora, planeja pensar a longo prazo. “Em vez de desafios anuais, tentei pensar no que espero do mundo e de como será a minha visão dele em 2030, para eu ter certeza de que estou focando nas coisas certas”. No lugar das metas pessoais, Zuckerberg se concentrará em problemas que atingiram o Facebook nos últimos anos e em outras questões que considera importante. 

O executivo afirmou que continuará investindo na Chan Zuckerberg, organização sem fins lucrativos criada por ele e sua esposa para a cura, prevenção e tratamento de doenças. Além disso, ajudar pequenas empresas também é um dos focos do fundador do Facebook. Hoje, são 140 milhões de clientes neste setor – incluindo contas no Instagram e WhatsApp. “Ao longo da próxima década, esperamos construir as ferramentas de comércio e pagamentos para que todas as pequenas empresas tenham acesso fácil à mesma tecnologia que anteriormente só as grandes tiveram”, disse Zuckerberg. 

Novas tecnologias, privacidade e governança

O empreendedor acredita que teremos a consolidação de “uma nova plataforma da década”. Assim como a internet, o desktop e o celular, Zuckerberg afirmou que o óculos de realidade aumentada redefinirá a relação das pessoas com a tecnologia. Pensando nisso, o Facebook investirá em seu próprio dispositivo. “Imagine se você pudesse morar em qualquer lugar que escolher e acessar qualquer trabalho em qualquer outro lugar. Se conseguirmos concluir o que estamos construindo, isso deve estar muito mais próximo da realidade até 2030”, disse. 

Por fim, o empreendedor também falou sobre suas expectativas em relação a novas formas de governança. Depois de se envolver em polêmicas por violação de privacidadeanunciar um “novo Facebook”, Zuckerberg declarou que espera que governos criem regras mais claras para a internet na próxima década. 

“Plataformas como o Facebook precisam fazer escolhas com valores que todos amamos, como entre liberdade de expressão e segurança, ou entre privacidade e fiscalização de autoridades, ou entre criação de sistemas abertos e bloqueio ao acesso”, disse o executivo. “Não acredito que empresas privadas deveriam tomar decisões importantes que tocam em valores democráticos tão fundamentais”.

Enquanto isso não acontece, segundo Zuckerberg, uma boa maneira de abordar o assunto é criando novas formas de governança independente. O empreendedor citou o Oversight Board, conselho formado por 40 pessoas que será responsável, a partir deste ano, por avaliar casos importantes na plataforma envolvendo remoção de conteúdos.

“Em breve você poderá recorrer a decisões de conteúdo que você discorda para um conselho independente que decidirá se aquilo é permitido ou não. Nesta década, espero usar a minha posição para estabelecer mais governança da comunidade e mais instituições como esta. Se isso for bem sucedido, pode ser um modelo para outras comunidades online no futuro”.