NASA investe US$ 73 milhões em projeto de impressão 3D que constrói no espaço

João Ortega

Por João Ortega

2 de setembro de 2019 às 16:33 - Atualizado há 1 ano

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Um dos principais desafios da exploração espacial é fazer com que as estruturas lançadas em órbita sejam resistentes a ponto de suportar a pressão e a velocidade necessárias para atravessar a atmosfera. A empresa norte-americana Made In Space quer solucionar parte deste problema a partir da fabricação de componentes com impressão 3D já no espaço. O projeto Archinaut One, inclusive, recebeu investimento de US$ 73 milhões da NASA.

O acordo entre a Agência Espacial dos EUA e a Made In Space foi concretizado em julho, e o Archinaut One será lançado ao espaço dentro de três anos. O satélite levará uma impressora 3D e a matéria-prima necessária para construir vigas solares de dez metros de comprimento. Segundo a NASA, cada uma delas terá capacidade de gerar dez vezes mais energia do que uma placa solar tradicional usada em satélites.

Em entrevista ao TechCrunch, Andrew Rush, CEO da Made In Space, diz que “há cinco anos, construir no espaço era um sonho”. “Hoje, construímos tanta coisa em órbita que me parece algo mundano”, afirma. A empresa realiza diversas impressões 3D na Estação Espacial Internacional. Nada do porte do projeto Archinaut One, no entanto.

Os planos da empresa, no entanto, não param por aí. Ela pretende produzir fibra ótica no espaço, para melhorar e acelerar a transmissão de dados na rede. Outro projeto ambicioso de Rush e sua equipe é utilizar poeira espacial como matéria-prima na construção 3D, tornando o processo mais sustentável e diminuindo necessidade de trazer polímeros da Terra. No futuro, a Made In Space quer construir uma nave espacial inteira no espaço, utilizando principalmente matéria-prima de asteroides.