Inteligência artificial confirma teoria de que Shakespeare teve um coautor

João Ortega

Por João Ortega

3 de dezembro de 2019 às 08:17 - Atualizado há 12 meses

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A peça Henrique VIII foi encenada em 1613 pela primeira vez. Mais de quatro séculos depois, o mistério acerca de sua autoria foi finalmente resolvido com a ajuda da tecnologia. Um algoritmo de inteligência artificial confirmou uma teoria elaborada em 1850 de que o dramaturgo inglês William Shakespeare teria escrito a peça em parceria com John Fletcher.

Por quase 200 anos desde o lançamento, acreditava-se que Shakespeare e Fletcher eram rivais no universo da dramaturgia inglesa – e que Henrique VIII era de autoria apenas do primeiro. No século XIX, porém, o pesquisador James Spedding analisou a obra e identificou aspectos da escrita, em diferentes trechos, que se assemelhavam ao estilo de Fletcher. Desde então, sua teoria nunca havia sido confirmada, tampouco descartada.

A Academia Tcheca de Ciência, em Praga, “alimentou” um algoritmo de inteligência artificial com diversos textos de três autores: Shakespeare, Fletcher e Philip Massinger – um outro candidato a autoria da obra. Com o software treinado com o estilo dos escritores, os cientistas, então, inseriram o texto de Henrique VIII no algoritmo.

O sistema identificou, a partir do ritmo e da escolha de palavras, que as duas primeiras cenas da peça foram escritas por Shakespeare. As quatro cenas seguintes, no entanto, tiveram Fletcher como autor. Então, os escritores passam a se intercalar e, possivelmente, escreveram algumas cenas a quatro mãos. Massinger, por outro lado, não participou de Henrique VIII.

“O algoritmo acabou sendo um discriminador muito confiável para os estilos de ambos os autores”, afirma Petr Plechac, líder do estudo, ao The Guardian. “Quando aplicado ao texto de Henrique VIII, o resultado indicou claramente que os dois autores estavam envolvidos”.