Microsoft lança HoloLens 2, o novo dispositivo de realidade mista

João Ortega

Por João Ortega

25 de fevereiro de 2019 às 11:17 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Microsoft apresentou, durante o Mobile World Congress em Barcelona, neste domingo, o seu novo dispositivo que combina realidade virtual e aumentada: o HoloLens 2. O produto começa a ser vendido no segundo semestre deste ano apenas para empresas e custa US$ 3.500.

O HoloLens 2, assim como seu antecessor, é formado por um par de lentes que projetam imagens tridimensionais no campo de visão do usuário. A nova geração do dispositivo cobre uma área duas vezes maior do campo de visão comparado à primeira versão. Além disso, o HoloLens 2 reconhece movimentos intuitivos do usuário para melhor apresentar e mover os hologramas. A Microsoft também divulgou que o produto acompanha o movimento dos olhos de quem estiver usando, tornando a experiência mais dinâmica.

Nesta nova versão, há um par de alto-falantes, a viseira gira, e o dispositivo permite que o usuário veja o que suas mãos estão fazendo com mais precisão do que antes. Há uma câmera frontal de 8 megapixels para videoconferência, com capacidade para 6 graus de rastreamento, e também usa USB-C para carregar. É, em síntese, repleto de novas tecnologias. Mas depois de quatro anos do lançamento da primeira versão, isso não deveria ser uma surpresa.

O HoloLens 2 não é muito mais leve que o HoloLens original. No entanto, parece mais leve porque fica mais equilibrado na cabeça, dada a redistribuição de peso entre a parte frontal e a posterior. Esse equilíbrio faz uma enorme diferença. O peso é menos perceptível e, segundo o fabricante, coloca menos pressão no pescoço.

Por enquanto, o HoloLens 2 é destinado ao uso em empresas. Nos vídeos abaixo, a Microsoft exemplifica o uso da realidade mista em diferentes áreas, como mecânica, medicina e arte.