Google Maps conseguirá prever lotação de ônibus, metrôs e trens

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

28 de junho de 2019 às 10:30 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Todo morador de grande metrópole certamente já enfrentou um ônibus ou metrô cheio em um trajeto de rotina. Pensando nisso, o Google anunciou uma nova solução para o aplicativo Maps que ajuda o usuário a planejar melhor sua viagem e checar a lotação do transporte público. “Agora você pode tomar uma decisão informada sobre se deseja ou não esperar mais alguns minutos por um veículo em que você tenha mais chances de conseguir um lugar”, disse a empresa em um comunicado. 

O recurso de previsões de lotação vem sendo desenvolvido pela empresa há mais de seis meses. Em outubro do ano passado, o Google solicitou que usuários do Maps classificassem sua jornada durante horários de pico entre 6h e 10h. A companhia coletou informações sobre quantidade de lugares disponíveis e se o passageiro ficou ou não de pé durante o trajeto, identificando as linhas mais lotadas. 

A partir disso, desenvolveu um algoritmo de previsão projetado para informar os usuários sobre quais transportes estão mais cheios. As análises foram também foram divulgadas pela empresa em um levantamento: Buenos Aires e São Paulo lideram o ranking das linhas de trânsito mais lotadas do mundo. No Brasil, as linha 11 Coral, 8 Diamante e 9 Esmeralda aparecem na lista.

 

Segundo o Google, usuários de 200 cidades em todo o mundo começarão a ver o novo recurso de previsão no Maps. No Brasil, as primeiras cidades brasileiras a receberem a atualização serão São Paulo e Rio de Janeiro. A funcionalidade estará disponível para dispositivos Android e iOS. Além da previsão lotação, a companhia também lançará um recurso de atraso de tráfego ao vivo para cidades que não possuem informações das agências de transporte locais.