Google cria solução de IA capaz de identificar 26 doenças de pele

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

13 de setembro de 2019 às 16:39 - Atualizado há 1 ano

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A inteligência artificial está presente em diversas áreas — inclusive na saúde. Como parte disso, o Google criou um sistema que usa a tecnologia para identificar doenças de pele. Segundo a empresa, pela falta de dermatologistas, grande parte desses casos nos Estados Unidos são direcionados para clínicos gerais, o que pode gerar atrasos no tratamento ou erros no diagnóstico. 

“Desenvolvemos um sistema de aprendizado profundo (DLS) para lidar com as condições de pele mais comuns observadas na atenção primária”, escreveram Yuan Liu, engenheiro de software da companhia, e Peggy Bui, gerente de programas técnicos do Google Health, em um comunicado. “Este estudo destaca o potencial do DLS para aumentar a capacidade dos clínicos gerais que não tiveram treinamento especializado adicional para diagnosticar com precisão doenças de pele”.

A solução processa imagens clínicas e outros componentes como histórico médico, idade, sexo e sintomas. Hoje, segundo o Google, ela é capaz de identificar 26 doenças de pele. Para isso, usou como base 17.777 casos de diversas clínicas de atenção primária em dois estados americanos. Durante o treinamento, a ferramenta também analisou mais de 50 mil diagnósticos fornecidos por 40 dermatologistas.

Assim como em casos reais, a solução gera um diagnóstico diferencial — quando se formula uma hipótese com suspeita principal seguida de outras possibilidades. A partir disso, exames laboratoriais e outros procedimentos podem ser feitos para confirmar a doença. Segundo os pesquisadores, o sistema poderá ajudar na triagem de casos para orientar a priorização de atendimentos. “Estamos entusiasmados com os esforços futuros em examinar a utilidade desse sistema para os médicos”, disseram.