Conheça o Fuchsia, o novo sistema operacional do Google

João Ortega

Por João Ortega

4 de julho de 2019 às 12:44 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O Google lançou na última sexta-feira (28) o site oficial para desenvolvedores do Fuchsia, o sistema operacional (OS) que está sendo produzido ao menos desde 2016. Com isto, voltaram a surgir especulações em portais de tecnologia sobre o OS que pode substituir o Android e o Chrome OS em um futuro próximo.

Já é possível ter uma prévia do visual do Fuchsia no GitHub, comunidade global de desenvolvedores. Entretanto, as funcionalidades deste ‘demo’ ainda são bem restritas.

No começo deste ano, segundo a Forbes, o Google contratou um engenheiro de software do alto escalão da Apple para cuidar da fase final do projeto. Já é público, também, o fato de que o sistema operacional não terá seu núcleo (kernel) baseado em Linux, como é o caso do Android e do Chrome OS. O núcleo será um microkernel inteiramente novo, batizado de Zircon.

Tudo isso é bastante técnico, mas significa na prática que o Fuchsia será mais versátil e enxuto que os outros sistemas operacionais do Google. Neste sentido, ele aponta para um futuro de Internet das Coisas (IoT), em que a integração entre dispositivos robustos (computadores e smartphones) e objetos conectados do dia-a-dia (caixas de som, geladeiras, painéis de carro e basicamente tudo o que se pode imaginar) é fundamental.

Especula-se, também, que o sistema operacional tenha capacidade de rodar programas nativos para Android. Para desenvolvedores interessados no tema, o novo site do Fuchsia traz diversos documentos que indicam como criar programas específicos para o sistema open source, com exemplos e guias de boas práticas.