Fim do Planejamento, Comando e Controle e o modelo de gestão por contexto

João Ortega

Por João Ortega

26 de março de 2020 às 10:34 - Atualizado há 2 semanas

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

A gestão baseada em planejamento, comando e controle (PCC) funcionou muito bem para empresas ao longo do século XXI. Este modelo foi responsável por estabelecer uma hierarquia e gerar produtividade em todos os setores produtivos e, em última análise, moldou o mercado como existia até poucas décadas atrás.

No entanto, o avanço exponencial do desenvolvimento tecnológico disruptou modelos de negócios antigos. Os mercados tornaram-se muito mais imprevisíveis, os profissionais passaram a valorizar novas prioridades e os clientes passaram a ter muito mais opções por conta da concorrência dinâmica. Neste novo cenário, surge a necessidade de um modelo de gestão baseado na agilidade, na experimentação e no contexto.

Este foi o tema da segunda aula da trilha de Transformação Empresarial, com o professor Pedro Englert, CEO da StartSe, do programa ReStartSe. Para receber a agenda completa com 100 horas gratuitas, ao vivo e online de conteúdo, inscreva-se aqui.

Gestão por contexto

“Organizações precisam aumentar o repertório”, afirma Cristiano Kruel, head de inovação da StartSe e professor convidado da aula. “Entender melhor de tecnologia, não subestimar novos modelos de negócio e, assim, reimaginar a gestão para um contexto de alta incerteza”.

Neste modelo de gestão, substitui-se planejamento por projetos, experimentos e investigações. O comando dá lugar à liderança. O controle abre espaço para o alinhamento com propósito. E, no centro deste propósito, está o valor que se gera ao cliente — e não um processo ou produto específico, pois isto limita a empresa.

Substituir o controle pelo alinhamento é uma prática que define a gestão por contexto. Isto significa que não cabe à liderança verificar sistematicamente a rotina de cada colaborador. Do contrário, a responsabilidade dela é definir, com transparência, qual é o objetivo da empresa como um todo, de uma área ou de um determinado colaborador.

Para se aprofundar mais na transformação das empresas para a Nova Economia, acompanhe as próximas aulas do programa ReStartSe. Inscreva-se aqui!