Facebook compra startup de chatbot para atender usuários de sua criptomoeda

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

23 de setembro de 2019 às 13:12 - Atualizado há 2 anos

Logo Novo Curso

Transmissão exclusiva: Dia 08 de Março, às 21h

Descubra os elementos secretos que empresas de sucesso estão usando para se libertar do antigo modelo de Gestão Feudal de Negócios.

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

O lançamento oficial do Libra está se aproximando – previsto para o primeiro semestre de 2020 – e o Facebook está se preparando para atender os usuários. De acordo com o TechCrunch, a empresa comprou a Servicefriend, startup que cria chatbots focados em atendimento.

A Servicefriend utiliza inteligência artificial para trazer respostas assertivas às dúvidas. O objetivo é que os robôs sejam um reforço para os times de atendimento. Em sua página, a Calibra, startup do Facebook responsável pela criptomoeda, afirma que “terá suporte em tempo integral” pelo Messenger e WhatsApp, plataformas que também pertencem ao Zuckerberg.

Uma das aplicações possíveis com o lançamento do Libra será o envio de dinheiro (no caso, da própria criptomoeda) pelos chats do Messenger e WhatsApp. Por isso, é de interesse do Facebook criar um atendimento ao cliente eficaz, que funcione em plataformas que já conheçam, para aumentar a confiança.

Essa tem sido uma das principais dificuldades enfrentadas pelo Facebook. Reguladores de mercado de todo o mundo, como nos Estados Unidos e França, estão se mostrando críticos e ensaiam até impedir o lançamento do Libra. Apoiadores que também lideram a iniciativa – e que investiram, no mínimo, US$ 10 milhões cada – estão repesando a participação no projeto. O projeto também é alvo de críticas de Chris Hughes, cofundador da rede social.

Procurado pelo TechCrunch, o Facebook não confirmou a aquisição especificamente da Servicefriend. No entanto, antigos funcionários da startup já estão atualizando suas instituições de trabalho no LinkedIn, reforçando a mudança.

Confira como irá funcionar a criptomoeda do Facebook: