Facebook está contratando profissionais especialistas em competitividade

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

14 de Maio de 2019 às 15:19 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O Facebook está contratando profissionais que tenham experiência em políticas de concorrência. As vagas são principalmente para os Estados Unidos e Europa e refletem uma questão sensível à empresa de tecnologia.

A rede social está em busca de gerentes de políticas públicas, focados em concorrência, em Londres e Washington, conforme reporta o Business Insider. “A missão da equipe é liderar o envolvimento do Facebook com legisladores em todo o mundo. Essa pessoa apoiará a equipe de política de concorrência e trabalhará em conjunto com as equipes de produtos, jurídico e políticas mais abrangentes da empresa”, descreve uma das vagas.

Além disso, a empresa também está em busca de diretores especializados em economia e políticas de competição (na Bélgica e Bruxelas) e um conselheiro em concorrência (em Londres, Paris, França, Dublin, entre outros locais da Europa).

Na semana passada, Chris Hughes, um dos cofundadores da rede social, afirmou que o Facebook é um monopólio e deve ser desmembrado. A preocupação surge após a aquisição do WhatsApp e Instagram, tornando a empresa dona de três das redes sociais mais usadas em todo o mundo.

Em um artigo de opinião no New York Times, o empreendedor critica a aprovação das aquisições pela Comissão Federal do Comércio nos Estados Unidos e “que ainda dá tempo de reverter o erro”. Desde então, a rede social tem respondido as críticas.

Primeiro, o vice-presidente de assuntos globais, Nick Clegg, afirmou que “não se reforça a prestação de contas de uma empresa pedindo pela separação de uma companhia norte-americana bem-sucedida”. Depois, Mark Zuckerberg disse em uma entrevista ao France Info que “separar a companhia não fará nada para ajudar” nas questões de privacidade e segurança e que o Facebook é a rede social que mais investe em segurança.

Leia também: Luli Radfahrer, da USP: “a sociedade deve regulamentar o uso de redes sociais”