Facebook passa a explicar publicações em seu feed e pode priorizar notícias

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

1 de abril de 2019 às 15:32 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O Facebook está preparando grandes mudanças nas linhas do tempo. A empresa irá explicar aos usuários porque as publicações estão aparecendo – dando pistas de como funciona seu algoritmo – e pode voltar a dar mais alcance para as notícias.

A empresa lançou o “Por que estou vendo isso?”, um botão em que o usuário poderá entender e controlar quais publicações deseja ver (ou não) na rede social. Ao clicar, aparecerá o nível de relação que o perfil apresenta com a publicação – se o autor é de sua rede de amigos, membro de algum grupo ou até se o usuário reagiu a outras postagens.

O usuário poderá escolher quais publicações deseja ver primeiro, se deseja deixar de seguir perfis específicos e alterar outras preferências. A nova ferramenta, junto a já existente “Por que estou vendo esse anúncio?”, pretendem dar maior poder de personalização para cada usuário dentro da rede social.

Área específica de notícias?

Segundo a Bloomberg, o Facebook pode criar uma aba específica para notícias na rede social. Zuckerberg também expressou o desejo de pagar aos veículos por conteúdos que se destacam. O objetivo, de acordo com o fundador da empresa, é que os usuários recebam notícias de qualidade.

Além disso, Zuckerberg também cita a necessidade de encontrar soluções para ajudar jornalistas de todo o mundo continuarem seu “importante trabalho”. Essa é uma grande mudança nas diretrizes da companhia, que no ano passado limitou o alcance das notícias para priorizar publicações pessoais de amigos e familiares.

Justamente por esse motivo, a Folha de São Paulo deixou de atualizar e publicar notícias na página do Facebook desde fevereiro de 2018. Entre as justificativas dadas pelo jornal, está a “tendência do usuário a consumir cada vez mais conteúdo com o qual tem afinidade, favorecendo a criação de bolhas de opiniões e convicções, e a propagação das ‘fake news’”.

Um dos incentivos para a possível mudança do Facebook são as novas regras de copyright da União Europeia. Elas irão requerer que empresas de tecnologia como Facebook e Google recompense os criadores pelo conteúdo publicado em suas plataformas.