Facebook responde às críticas de cofundador que pede desmembramento da rede

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

10 de Maio de 2019 às 12:42 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

O Facebook respondeu as críticas de Chris Hughes, o cofundador da rede social, de que a empresa seria um monopólio e deveria ser desmembrada. Em uma declaração, Nick Clegg, vice-presidente de comunicação e assuntos globais da empresa, afirmou que Hughes “não reforça a prestação de contas de uma empresa pedindo pela separação de uma companhia norte-americana bem-sucedida”.

O vice-presidente afirmou que a prestação de contas de empresas de tecnologia só pode ser alcançada com novas regras para a internet. “Isso é exatamente o que Mark Zuckerberg tem pedido. Inclusive, ele possui um encontro com líderes do governo nesta semana para avançar neste trabalho”, escreveu.

Em abril deste ano, o Facebook e Twitter enfrentaram acusações de “falta de transparência” no Senado americano. “As grandes empresas de tecnologia não possuem apenas o poder de silenciar vozes que eles discordam, mas de elaborar o feed de notícias das pessoas de maneira que concorda com suas agendas políticas”, disse o senador Ted Cruz na ocasião.

A afirmação de Ted Cruz está de acordo com as acusações de Chris Hughes à rede social relatadas em seu artigo de opinião ao NYT. “Mark, sozinho, pode decidir como configurar os algoritmos do Facebook para determinar o que as pessoas veem em seus feeds de notícias, quais configurações de privacidade podem usar e até quais mensagens serão entregues”, disse Hughes no artigo.

Já em abril do ano passado, Mark Zuckerberg deu um depoimento de 5 horas de duração ao Senado americano. A ocasião discutia o escândalo que envolveu a Cambridge Analytica, no qual dados de 87 milhões de pessoas foram vazados. O fundador da rede social admitiu alguns dos erros da empresa, principalmente quanto a segurança.