Estados Unidos registra 84 milhões de viagens em patinetes e bicicletas em 2018

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

18 de abril de 2019 às 14:41 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 22 a 25/Fev - 2021, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A National Association of City Transportation Officials (NACTO), divulgou nesta quarta-feira (17) um relatório anual sobre o uso de veículos de micromobilidade em 2018. Segundo o estudo, que analisa dados de 100 cidades dos Estados Unidos, das 84 milhões de viagens realizadas, 38,5 milhões foram de patinetes e 45,5 milhões de bicicletas. De acordo com a NACTO, esse número dobrou em relação ao ano anterior.

A pesquisa aponta que as bicicletas elétricas estão se tornando mais populares, já que foram usadas duas vezes mais que as normais. Nos meses com maior número de viagens, foram 5 corridas por dia nas bikes tradicionais, contra 15 corridas nas e-bikes. Além disso, o estudo indica que o uso delas acontece, em maior volume, nos horário de pico tradicionais  e em dias de semana. Já os patinetes são mais usados nas sextas-feiras e fins de semana.

O relatório também analisa o uso dos veículos nos últimos oito anos. Entre 2010 e 2017, foram consideradas apenas as bicicletas. Em 2010, foram 321 mil viagens realizadas. Em 2011, foram 2,4 milhões. Já em 2017, 25 milhões de viagens foram registradas. Os patinetes entraram na pesquisa em 2018.

“Com dezenas de milhões de viagens por ano, a micromobilidade compartilhada continua a ser uma forma popular de transporte”, disse Corinne Kisner, diretora executiva da NACTO. Segundo ela, é essencial que os legisladores estaduais possam garantir que as cidades tenham capacidade de planejar, regular e gerenciar sistemas de micromobilidade para “resultados seguros, sustentáveis e equitativos”.