Empresa realiza tratamento com edição genética CRISPR em seres humanos

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

25 de fevereiro de 2019 às 17:28 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A empresa Crispr Therapeutics AG – que utiliza a tecnologia de edição genética homônima – realizou seu primeiro tratamento em humanos. Em parceria com a farmacêutica Vertex Pharmaceutials Inc, a companhia tratou um paciente com beta-thalassemia, um tipo de doença hereditária sanguínea.

Segundo a empresa, o paciente foi tratado com uma terapia genética chamada CTX001, criada a partir do Crispr. Como consequência, as ações da empresa subiram mais de 6,82% nesta segunda-feira (25), atingindo US$ 38.

“Tratar o primeiro paciente desse estudo marca a importância científica e um marco histórico na medicina. É o início dos nossos esforços para realizar completamente a promessa da terapia CRISPR como uma nova classe de medicina com potencial transformador para tratar doenças sérias”, disse o chefe de operações da Crispr, Samarth Kulkarni, no anúncio.

A polêmica CRISPR

O CRISPR se tornou um alvo de polêmicas desde o ano passado, quando um cientista afirmou ter editado geneticamente dois bebês para se tornarem imunes ao HIV. O chinês He Jiankui foi criticado pela comunidade médica internacional.

Os estudos começaram em 2017 e alguns dos participantes afirmaram que achavam que estavam participando de uma pesquisa para vacina contra o HIV. Esse caso levou à proibição da edição genética com CRISPR na China. Agora, foi descoberto que, além de alterar geneticamente os genes dos bebês, He Jiankui pode ter alterado também suas capacidades cognitivas.