A Uber vale mais, mas é a Lyft que virou a queridinha da América

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

10 de dezembro de 2018 às 12:24 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

Você já ouviu falar da Lyft? O serviço de corridas por aplicativo é um dos principais concorrentes da Uber nos Estados Unidos e Canadá, locais onde está presente. A competição aumentou ainda mais quando as duas empresas registraram, em dias seguidos, pedidos por IPO  para abrir o capital em Wall Street.

Atualmente, a Uber possui 60% do mercado nos Estados Unidos, contra 23% da Lyft, segundo pesquisa da Raymond James. No entanto, a Lyft ganha quando a avaliação passa a ser quem é a marca mais querida pelos usuários. Dos 1.062 respondentes da pesquisa, um terço prefere a Lyft por sua marca e por ser mais amigável, enquanto um quarto escolheu a Uber pelos mesmos motivos.

Essa diferença é sentida, inclusive, na frequência de uso dos aplicativos. As pessoas que preferem a Lyft se mostraram mais engajadas, utilizando o serviço mais vezes do que os usuários da Uber.

Alguns dos motivos de a Lyft ter se revelado a preferida pode ser o passado (e presente) turbulento da grande concorrente. O fundador e ex-CEO da Uber foi acusado de assédio sexual em 2017, enquanto a empresa foi alvo de ações trabalhistas de motoristas e envolvida em supostos roubos de informações.

O caso sobre roubo de informações envolveu ninguém mais, ninguém menos, do que o Google. O caso foi levado para os tribunais e a Waymo, startup do setor de carros autônomos da Alphabet, holding do Google, chegou a pedir US$ 2,6 bilhões de indenização. Um tempo depois, a Alphabet liderou uma rodada de investimentos onde a Lyft captou US$ 1 bilhão.

A guerra dos IPOs

A Lyft realizou o registro de sua oferta pública inicial de ações na última quarta-feira (5), e a Uber realizou o mesmo dois dias depois, na sexta-feira (7). Ambas as empresas já haviam expressado o interesse em abrir o capital em Wall Street.

A Uber, por exemplo, trouxe essa expectativa um ano atrás, na época em que o atual CEO assumiu o cargo. Dara Khosrowshahi afirmou que a Uber só se tornaria pública em 2019 – e agora os planos estão se tornando realidade.

Atualmente, a Uber está avaliada em US$ 76 bilhões. Segundo a Reuters, a empresa pode chegar a US$ 120 bilhões com o IPO. Já a Lyft planeja realizar sua oferta inicial de ações sob o valor de mercado de US$ 15 bilhões. Apesar de ter confirmado o registro, a Lyft não revelou quanto planeja levantar com a iniciativa.