Drone é usado para transporte de órgão em um feito inédito na medicina

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

30 de abril de 2019 às 14:47 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Pela primeira vez na história da medicina, um drone foi usado para o transporte de um órgão. O acontecimento foi divulgado na última sexta-feira (26), nos Estados Unidos pela Universidade de Maryland, na cidade de College Park. Uma semana antes, os cirurgiões do Centro Médico da instituição, composto por dois hospitais, receberam um rim que saiu do Hospital Saint Agnes e percorreu 4,2 quilômetros em 10 minutos. Em um trajeto normal de carro, ele demoraria cerca de 20 minutos para chegar ao local.

O órgão foi transplantado com sucesso em uma paciente de 44 anos com insuficiência renal, que estava há oito anos esperando pela oportunidade. Poucos dias depois, ela recebeu alta. “Este grande avanço na medicina exemplifica dois componentes-chave da nossa missão: inovação e colaboração”, disse Albert Reece, vice-presidente executivo de assuntos médicos da Universidade de Maryland.

O drone foi construído graças à uma parceria entre médicos e pesquisadores da Escola de Medicina e do Centro Médico da Universidade de Maryland, especialistas em aviação e engenharia da Universidade de Maryland, e membros da Living Legacy Foundation de Maryland (The LLF).

O aparelho foi projetado para medir e manter uma temperatura interna, uma pressão barométrica e uma altitude certa, garantindo que o órgão fosse transportado nas condições ideais. Além disso, possui câmeras e um sistema de rastreamento. A iniciativa começou as ser planejada há três anos. A princípio, o equipamento foi testado para o transporte de soro fisiológico, tubos de sangue e outros materiais.