Estudo com edição genética CRISPR testa tratamento para cegueira em humanos

João Ortega

Por João Ortega

30 de julho de 2019 às 11:53 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Duas empresas dos EUA vão realizar testes de edição genética CRISPR em humanos para tentar curar a Amaurose Congênita de Leber (ACL), um tipo comum de cegueira hereditária. Pessoas com a doença têm olhos normais, mas lhes faltam um gene que converte a luz em sinais identificáveis ao cérebro. O tratamento experimental pretende inserir o gene em um local específico do DNA dos pacientes, alterando-o permanentemente.

Os testes serão conduzidos pelas empresas Editas Medicine e Allergam com 18 indivíduos portadores da doença.  O tratamento será realizado em crianças de 3 anos de idade até adultos, com diferentes níveis de visão. A ACL é a maior causa de cegueira infantil, atingindo de 2 a 3 nascidos a cada 100 mil pessoas, segundo a Associated Press.

A edição genética CRISPR desperta o interesse da comunidade científica por permitir a edição do DNA de forma relativamente simples. No entanto, ainda não se sabe as possíveis consequências do uso da técnica, que ainda é bastante recente. Testes em humanos vêm sendo realizados pela Crispr Therapeutics e até o Google entrou neste mercado, investindo em startup que pretende usar a técnica para tratar doenças coronárias.

A polêmica CRISPR

O CRISPR se tornou um alvo de polêmicas desde o ano passado, quando um cientista afirmou ter editado geneticamente dois bebês para se tornarem imunes ao HIV. O chinês He Jiankui foi criticado pela comunidade médica internacional. Diferente dos testes realizados nos EUA, o processo realizado na China é hereditário, alterando também o código genético de possíveis descendentes dos pacientes.

Os estudos começaram em 2017 e alguns dos participantes afirmaram que achavam que estavam participando de uma pesquisa para vacina contra o HIV. Esse caso levou à proibição da edição genética com CRISPR na China. Mais tarde, foi descoberto que, ao alterar os genes dos bebês, He Jiankui pode ter alterado também suas capacidades cognitivas.