Visa Track: o que é a iniciativa e como ela ajudou a NextOne?

Avatar

Por Isabella Câmara

12 de dezembro de 2017 às 17:38 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O processo de inovação na Visa começou há cerca de um ano e meio quando a empresa começou a desenvolver vários centros de inovação pelo mundo. Tempos depois dessa iniciativa, a companhia desenvolveu o Visa Track em parceria com a Kyvo e GVSLabs. E foi sobre esse programa de aceleração que Hilton Menezes, da Kyvo, e Cristiano Maschio, fundador da NextOne, falaram no Corporate Startup Innovation.

Os três primeiros meses do Visa Track são dedicados a aceleração das startups pré-selecionadas, fase que é dividida entre São Paulo e Vale do Silício. Após mentorias e sessões com investidores, as startups são incubadas por 3 meses no espaço exclusivo montado em São Paulo pela Kyvo e GSVLabs para o Visa Track. Além disso, os times de startups terão follow ups semanais e acesso a conteúdos exclusivos da aceleradora, GSVLabs.

O programa busca startups que já possuam uma base sólida de usuários ativa e que já monetizam. Segundo Hilton, é ideal que as startups que buscam ser aceleradas no Visa Track  já tenham, no mínimo, validado o seu MVP. “Isso é ideal para que no Vale do Silício a pessoa receba mentorias e possa melhorar ainda mais o seu produto”, conta.

O Visa Track oferece serviços de consultoria, mentoria e infraestrutura para as startups selecionadas que equivalem a mais de R$ 170 mil, além de passagem, hospedagem e alimentação.

NextOne: uma das startups selecionas no Track

A NextOne nasceu como uma empresa que transformava uma imobiliária em uma emissora de seguro. O fundador acreditava que a iniciativa estava dando certo, afinal, os resultados e os feedbacks eram positivos no Brasil. Porém, ao ir para o Vale do Silício tudo mudou: “Hoje nós somos uma empresa de transação, que é feita de maneira descentralizada e está pautada na Nova Economia”.

Agora, a ela é uma startup focada em aumentar a receita dos segmentos, desburocratizando e simplificando a comercialização de seguros e outros serviços. Com a plataforma, uma empresa pode oferecer seguros ao seu cliente de forma rápida e receber uma comissão direto da Segurador. Ou seja, uma empresa agora é capaz de ter sua própria Corretora de Seguros online.

Voltando para o setor imobiliário, foco inicial da startup que hoje expandiu sua carteira de clientes para qualquer empresa que deseja aumentar a receita sem gastos. Com a plataforma da NextOne, uma imobiliária consegue assinar um contrato, que antes demorava 16 dias e custava cerca de R$ 2.300, em até 3 dias e desembolsa apenas R$ 450. Ou seja, o custo operacional de uma imobiliária cai aproximadamente 80% com a NextOne.

Para Cristiano, a grande mudança de perspectiva da startup se deve a ida ao Vale do Silício: “A gente não entendia nada de mercado financeiro e nem sobre como uma startup funcionar, mas no Vale do Silício eu comecei a entender sobre tudo isso. Além da grande mudança da solução, eu mudei o meu pensamento. Meu mindset, que era ainda muito tradicional, mudou”.