Coca-Cola compra 2ª maior cafeteria do mundo, se mexe e ataca Starbucks

Companhia adquiriu a Costa Coffee por US$5,1 bilhões e pretende entrar na disputa do mercado de bebidas quentes

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

31 de agosto de 2018 às 13:36 - Atualizado há 1 ano

A The Coca-Cola Company decidiu entrar para o mercado de cafés comprando, por US$5,1 bilhões, a Costa Coffee, rede europeia de cafeterias que pertencia antes à Whitbread e que ocupava a segunda posição do mercado mundial, atrás apenas da Starbucks. A empresa, que também é proprietária da rede de hotéis Premier Inn, afirmou que seu conselho aprovou por unanimidade o acordo e que espera que a venda seja concluída até o primeiro semestre de 2019.

“Esta transação é uma ótima notícia para os acionistas, pois reconhece o valor estratégico que desenvolvemos na marca Costa e seu potencial de crescimento internacional e acelera a realização de valor em dinheiro para os acionistas”, disse Alison Brittain, CEO da Whitbread, em um comunicado para o mercado de ações nesta sexta-feira de manhã. Como resultado da aquisição, as ações da Whitbread subiram quase 20%.

A notícia foi uma surpresa para muitos, já que a Coca-Cola não tinha presença no mercado de cafés. E é exatamente por isso que a gigante resolveu investir na Costa Coffee: se reinventar, entrar em um novo segmento e ampliar os canais de vendas para não depender mais dos atuais produtos. Afinal, as empresas que não inovarem podem acabar falindo.

Presente em mais de 30 países, a Costa Coffee é a maior cafeteria da Inglaterra e a segunda maior do mundo, desbancando o Starbucks na Terra da Rainha. “Bebidas quentes é um dos poucos segmentos remanescentes em que a Coca-Cola não tem uma marca global”, disse o CEO da Coca-Cola, James Quincey, em comunicado. Agora, existe a oportunidade de ter uma posição no mercado. 

O fim dos refrigerantes?

A aquisição da The Coca-Cola Company reforça como as grandes fabricantes de refrigerantes estão se adaptando à uma nova tendência – em que o consumo de bebidas açucaradas e efervescentes tem diminuído. Em agosto deste ano, por exemplo, a PepsiCo anunciou a compra de US$ 3,2 bilhões da SodaStream – fabricante de máquinas que preparam em casa refrigerantes mais saudáveis.

O fato é que a aquisição feita pela Coca-Cola pode colocar em risco a maior rede de cafés do mundo: a Starbucks. Não apenas pelas operações de lojas, mas pela venda no varejo de cafés gelados e  bebidas em conveniências e mercados do mundo todo. Isso porque a Costa já opera máquinas de café self-services no Reino Unido – modelo que pode ser expandido também para os Estados Unidos.